3 Comments

  1. 3

    Carlos Hidalgo Pinto

    Bem o Samuel e a esposa, têm dado um óptimo contributo para o estreitar de relações entre os dois países, onde a língua portuguesa se torna um factor de coesão. Os lusomoçambicanos têm a topofília inerente ao tempo passado nas vilas e cidades de Moçambique. Há lusomoçambicanos de 4ª geração, pois já os seus bisavós nasceram naquele territõrio, caso de uma bisavó minha.
    Mais uma vez, o desporto aproxima as pessoas, assim como a cultura.

    Gostei de rever imagens do Nuno Narcy, sempre calmo e bem disposto. Aqui vai um abraço para ele e para o meu primo Luis Couto Morais, mulher e filhos, a quem não vejo desde 2006, creio.

    Reply
  2. 2

    Nelson Silva

    O que vi agora parece-me melhor preservado e mais próximo do que me lembro de Lourenço Marques. Obrigado, Samuel. Fico a aguardar pelo texto sobre a Malhangalene. Abraço.

    Reply
  3. 1

    constantino Poulos

    Gostei da reportagem, mais do palácio dos casamentos (antigo ateneu grego) onde fui batizado em 24 de julho de 1935, com 5 meses, ainda não existia a Igreja Ortodoxa Grega.
    Um abração
    Constantino Poulos

    Reply

Responder a Carlos Hidalgo Pinto Cancelar resposta

© BigSlam 2016 - Todos os direitos reservados.