9 Comentários

  1. 9

    Manuel Martins Terra

    Caro amigo João, estando já decorridos 45 anos após a independência de Moçambique, o novo país que estava a nascer não passou de uma miragem, porque primeiro provocaram o êxodo dos portugueses, e depois cederam aos interesses de várias potências mundiais, ávidas de riquezas que proliferam no território. Por cá, foi notória a influência dos designados retornados na sociedade portuguesa, contribuindo para ajudar a mudar hábitos e desígnios aqui instalados. Já em Portugal e em outros pontos do planeta, fomos infelizmente assistindo ao descalabro que conduziu Moçambique à tragédia da Guerra Civil, à fome, a escaldante corrupção que grassa entre a elite governamental, empresarial e aparelho militar. As populações vão fugindo ao terror instalado na região Cabo Delgado, agora sobrevivendo em campos de refugiados, em condições deploráveis. Assim se vai gorando a grande ilusão do bom povo moçambicano, atraiçoado por quem tomou o poder, e que vendeu sonhos transformados em pesadelos.Que a paz contemple Moçambique, e como tu dizes João, que Deus nos deia paz e longa vida neste minúsculo paraíso.

    Responder
  2. 8

    jose alexandre russell

    Pois é amigo João. E aqui estamos, e já lá vão quase 45 anos ( no meu caso). Vivos, e pelo menos a poder pensar e escrever o que pensamos. E muitos foram aqueles que saíram com uma mão à frente e outra atrás, mas que com grande resiliência conseguiram voltar a por de pé a sua vida. E agora restam-nos as saudades dos velhos tempos vivido em Moçambique.

    Responder
  3. 7

    Adelino Serras Pires Jr.

    Nasci na cidade da Beira em 1954. Estudei na Rodésia até 1972. Lá fiz o serviço militar como polícia 1975/77 (BSAP) e infelizmente tive que participar em operações militares contra o meu País de nascença (Moçambique). Nunca matei um ser humano, só animais porque fiz-me caçador guia profissional (1978/2003) porque não sabia fazer outra coisa. O meu último ano como caçador foi precisamente em Cabo Delgado. Hoje vivo em Espanha. Durante toda a minha vida sempre tentei voltar à minha terra natal mas fracassava porque Moçambique não me dava alegrias, só tristeza, miséria, incompetência, corrupção. Não me posso queixar-me da minha vida. Pelo contrário. O único senão é esse. Não poder desfrutar dessa terra tão querida por nós mas que por culpa desses senhores da guerra, não nos deixam. Uma pena.

    Responder
  4. 6

    Eduardo Jeremias Coimbra Ferreir

    Tendo passado por Africa (Angola) Serviço Militar -1963/1966, sou um apaixonado pelas as aventuras e imagino (o sofrimento) que vós e familias .
    – Sou um apaixonado pelas aventuras explicadas no “BigSlam” e por mero acaso não fiquei
    em Angola,apesar dos convites.
    -Mas imagino o que sofreram e familias . Mas também foram uns Heróis.
    -Mas se verificarmos a nossa História ,apesar de pequenos fomos muito “Grandes” e poderiamos ser maiores se não houvesse oportunistas.
    – O que seria Portugal,se tivessem aproveitado as “intenções da boa gente ” que foi deste !cantinho” à beira mar plantado ,é triste mas é a verdade.
    -Um abraço a todos especialmente a todos que se sacrificaram e muito sohreram e (famílias também)

    Responder
  5. 5

    Arnaldo Pereira

    Pois…
    Boa descrição.

    Eu não nasci em Moçambique, fui para lá aos 13 anos.
    Mas, cresci, tornei-me homem, formei-me profissionalmente, casei, procriei… e acreditei (e aceitei) que aquela seria a minha terra até à altura em que exalasse o meu último suspiro.

    Estava tão firmemente decidido a ficar que a minha mulher veio a Portugal em 1975, na altura da Independência, onde permaneceu 3 meses e eu assumi um contrato por 2 anos como “cooperante do novo país”… findo o qual – pensava eu – me manteria, nunca pensando que esse projecto não se iria concretizar.

    Em meados de 1976, tomei conhecimento de algumas situações desagradáveis (para não lhes dar outro nome) que ocorreram, um pouco por todo o país, e que contrariavam toda a ideia que eu fazia duma sociedade justa, democrática e livre.
    E isso fez-me tomar a decisão de não permanecer no país para além do término do meu contrato, em Junho do ano seguinte.
    No dia 3 de Novembro de 1977, desci do avião que me trouxe de volta à minha terra-natal, onde fui bem recebido, acolhido e acarinhado pelos familiares que lá viveram também, mas que regressaram aquando da Independência.

    E é com o “coração partido” que tomo conhecimento há 44 anos, da situação calamitosa e de miséria que grassa pela terra que um dia sonhei ser a minha pátria adoptiva.

    Responder
  6. 4

    Joao Felizardo

    Ah , mas entao na altura eu andava na ULM e de repente apareceram uns iluminatis todos frelimistas claro !…. o pior estava para vir ….qdo um colega e amigo mulato disse-me a mesa no self – olha la sabes q o teu nome esta na lista para tete ? – referindo-se na altura ao campo de reeducacao ….; entao ai decidi – boa altura de ir embora ; tracei um risco na areia e dei a mim proprio uma de 24 /20 ; para traz ficava o paraiso frelimista ; sai a boleia para a RSA ; portanto em resumo : os fascistas socialistas / comunas da troyka – soares , almeida santos e melo antunes entregaram o territorio ao moises machel no imbizu de lusaka ; depois o moises tomou conta unilateralmente do territorio ; os fascistas socialistas /comunas portugueses chamaram a esse acto os acordos de lusaka ; o moises machel ligou o cerebro ao intestino em diarreias mentais de palestras de 6 horas …o regime q liderou mandou prender , fuzilar , matar e roubar do erario publico ; o dakhlama da renamo desencadeou uma guerra de guerrilha q alastrou em guerra civil em q morreram cerca de 1 milhao de pessoas e mais de 2 milhoes ficaram desalojadas ; a guerra civil acabou qdo o chissano foi obrigado a ir a roma assinar um tratado de paz com o dhlakama ; anos depois e algures na sala magna de uma universidade em portugal o fascista socialista soares foi aplaudido em pe por ferverosos apoiantes e a rtp portuguesa enalteceu-lhe a aura como um historico do ps ; lentamente a frelimo em mocambique transformou-se em frelamo ou seja na frente dos ladroes de mocambique ! Brilhante !!!

    Responder
  7. 3

    Vasco Abreu

    Excelente, João ! Nada a acrescentar, infelizmente a profecia da tua mulher sobre a AS, onde vivo, também bateu certo. Abraço

    Responder
  8. 2

    Manuela Coelho

    Parabéns pelo conteúdo . Verdade nua e crua. Os “ retornado “ , espalhados pelo mundo, continuam a dar cartas ao mundo.

    Responder
  9. 1

    Carlos Guilherme

    Caríssimo João:

    Agradeço-te do coração tudo o que dizes no teu artigo. Posso comprovar, eu e muitos milhares de pessoas, que o que dizes é a verdade nua e pura. Os que vieram daquelas paragens, dado o seu espírito de luta diária (“resiliência” como está na moda dizer) vingaram quase todos na vida. Bem hajas.

    Carlos Guilherme (tenor)

    Responder

Deixe o seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© BigSlam 2021 - Todos os direitos reservados.

error: Content is protected !!