16 Comentários

  1. 11

    Amélia Carreira

    Acabei de ler a tua odisseia no Natal de 1968. Apesar do susto que apanhaste. valeu a pena pelos momentos que viveste e que são imperdíveis e que nos fazem lembrar a nossa querida terra. Obrigada, João por este lindo texto, que por vezes nos brindas.
    Desejo-te um Natal e um Ano Novo muito feliz e com muita saúde, assim como a toda a Família Big Slam. Beijinhos.
    Amélia Carreira

    Responder
  2. 10

    Paulo Carvalho

    O Natal de 1968, é também aquele de que melhor me lembro mas, por ter sido desagradável!

    Estava no Norte de Moçambique, em Vila Cabral, a prestar serviço militar e, a 24 e 25 de Dezembro, foi realizada uma grande operação militar em 2 locais diferentes, tendo provavelmente estado envolvidos, todos os grupos operacionais estacionados na capital do Niassa. No pelotão onde estava integrado, estivemos na eminência de ter sofrido uma grave emboscada!…
    Não tivemos a Ceia, que nos quarteis normalmente havia o cuidado de ser servida, tendo-nos contentado com as rações de combate mas, com a satisfação de termos regressado ao quartel, todos bem.

    Responder
  3. 9

    ABM

    A residência do GG que retratas em cima foi (minha opinião) uma piroseira construída cerca de 1939 no lugar da original, habitada por Mouzinho de Albuquerque, que eu achava dez vezes mais bonita mas que já estava um pouco nas lonas e ainda por cima vinha aí (em Agosto de 1939) o Marechal Craveiro Lopes na primeira viagem presidencial a Moçambique. Era um palacete digamos que um pouco formal e pesado, tanto assim que, apesar de permanecer como a residência oficial do subsequente presidente de Moçambique, que eu saiba nenhum residiu lá, preferindo abarbatar o Grémio e a AAE de Coimbra e ali fizeram uma casa digamos que mais funcional e informal, que o Guebuza, com umas massas valentes (alegadamente) dos chineses transformou num palácio à Bollywood. Acresce que com a paranóia da segurança, que nunca preocupou nenhum GG de Moçambique mas que digamos que é um problema latente em Moçambique, o local era considerado inseguro. Casas a mais ao lado, ruazinhas e as Torres Vermelhas ali ao lado. ABM

    Responder
    1. 9.1

      João Costa

      António, muito obrigado por esta tua “achega”! Julgava eu, que os presidentes de Moçambique, também com a segurança militar, habitavam no palácio. Mas pelo que contas, embora seja a residência oficial, mas pela insegurança causada pela volumetria das novas construções feitas na zona, os presidentes decidiram habitar nos locais que referes.
      Um abraço.

      Responder
  4. 8

    Rosa Maria Soares

    Grande final da cerreira militar, João.
    Bom ter estas situações para recordar, afagam o coração.
    Agradeço os votos que retribuo com grande amizade.
    Um beijinho.

    Responder
    1. 8.1

      João Costa

      Não foi muito grande; Rosa! Porque contava sair logo em Janeiro de 1969, e fiquei à espera de substituto até 4.deMaio.de 1969.
      Mas sabes o que te digo? Como tudo já passou, ficam essas memórias para contar.
      Um bjinho.

      Responder
  5. 7

    Eduardo Horta

    Um Feliz e Santo Natal, para ti João e toda a equipe do Bigslam.
    Também eu tive um breve contacto com o Dr. Baltazar Rebelo de Souza, não nesta data mas numa outra em deslocação de avião integrado eu, numa embaixada desportiva, em que veio até mim e me indagou sobre pormenores relacionados com esta digressão. Foi simpático da sua parte o mostrar interesse no que faziamos , o que pensávamos etc.
    Também me despertou a curiosidade do nome das ruas que mencionaste, pois morei uns anos na Av. Bartolomeu Dias e mais tarde na Couceiro da Costa, ambas bem perto da Ponta Vermelha.
    Um abraçoJoão e a todos no Bigslam.

    Responder
    1. 7.1

      João Costa

      Eduardo, tu também moraste ao pé de mim, junto aos Velhos Colonos, assim como, entre outros, os irmãos Murinelo. Ou estou enganado? É que nós estávamos sempre na piscina, no bar e nas tardes dançantes!

      Responder
  6. 6

    José Gonçalves

    Presumo que guardas com grande carinho todas estas estórias vividas na lindíssima cidade das acácias.O único privilégio que nos resta é, de vez em quando, vasculhar no baú das nossas memórias e “reviver” aquelas que nos marcaram mais.
    Um Feliz Natal a todos e um abraço.

    Responder
  7. 5

    Cristóvão Antunes

    João
    Uma bela história no Natal de 68, que passaste, e que jamais esquecerás. Imagino o “cagaço” que apanhaste ao se chamado ao interior do palácio. “A mais grossa devia ser como o azeite”, pois estavas próximo de passar à “peluda”.
    A minha passagem fora um ano antes, no Agrupamento de Engenharia de LM.
    Já passaram, e muito de repente, 54 anos.
    Um Santo Natal para ti e toda a equipa do BigSlam

    Responder
    1. 5.1

      João Costa

      Tens razão Cristóvão! O meu maior “cagaço” é que estava para passar à “peluda”, que afinal ainda tive de esperar quase 5meses! E apanhar um castigo naquela altura não vinha nada a calhar!

      Responder
  8. 4

    António Alberto Isaac da Mata de Oliveira

    Não havia processo por dívidas ocultas.
    O bairro não tinha sido todo evacuado nas redondezas, as ruas na vizinhança não tinham sido fechadas ao trânsito em nome
    da segurança ao Marcelo.
    António Oliveira

    Responder
  9. 3

    Manuela Coelho

    Para si e toda a sua equipa bem como a todos os participantes vão os meus votos de um Feliz Natal com saúde , paz e mais amor entre os Homens de boa vontade.
    Que 2022 seja melhor que os anteriores.
    Um abraço
    Manuela Coelho

    Responder
  10. 2

    Aníbal Santos

    O “senhor de branco” era efectivamente o responsável pelo palácio, entre outras coisas, e era o meu pai.
    Baltazar Rebelo de Souza e a esposa eram pessoas de trato excepcional.
    Pela natureza das funções que desempenhava o meu pai lidava mais com as esposas dos governadores e está marcou-o muito mais que todas as anteriores.

    Responder
    1. 2.1

      João Costa

      Aníbal, é possível que fosse o teu pai! Mas depois de estar junto ao salão verifiquei que havia mais pessoas a colaborar, também vestidas de branco. E realmente havia um que estava a orientar todos os outros.

      Responder
  11. 1

    Fernando Pedro

    Feliz Natal também para o amigo Costa e sua família!
    Bonita história a que conta sobre o seu Natal de 1968. Também prestei serviço no Quartel-General no período entre 25/1/1969 a junho de 1970, até me mandarem de férias para Mueda. Depois de obter autorização no quartel da Ponta Vermelha, fui residir na Av. António Enes nº368 em frente à Farmácia Pigale, passado uns meses mudei-me para a Rua dos Aviadores nº244, até parece que foi ontem e já lá vão 52 anos. Ainda hoje a minha alma sente saudades de Lourenço Marques…
    A todos os Amigos do BigSlam desejo um Feliz-Natal e muita saúde!
    Fernando Pedro

    Responder

Deixe o seu Comentário a Paulo Carvalho Cancel Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© BigSlam 2021 - Todos os direitos reservados.

error: O conteúdo está protegido.