22 Comentários

  1. 21

    Angelina

    Obrigado meu querido amigo e conterrâneo por tão bela crónica sobre a terra k adotamos como nossa e onde fomos felizes! Infelizmente ainda lá voltei depois de se chamar Maputo mas nada é como no nosso tempo de Moçambique ( Lourenço Marques).
    Concordo plenamente ,sim era um paraíso k ficará para sempre nas nossas memorias, desde a nossa infância a adultos . Sim sentimos saudades , muitas saudades …com tão belas lembranças! Beijinho grande❤😘

    Responder
  2. 20

    FERNANDO CAPELA

    Obrigado João por mais este belo artigo que,ao mesmo temo,me encheu de alegria e tristeza.Uma contradição mas bem lá no fundo uma realidade.Forte abraço.

    Responder
  3. 19

    Manuela Queirós

    Adorei ler a sua cronica, que saudades.

    Responder
  4. 18

    Mário Cavaco

    Moçambique, terra que me viu nascer, 3ª Geração, que vi tudo ser expoliado e roubado.
    As belezas dessa terra nunca deixaram de pular nos meus sonhos e agradeço a partilha destes locais que tive o Previlégio de visitar, pois o meu falecido pai dizia que para se defender a tua terra tens que conhecer tudo.

    A beleza não se destrói, mesmo quando algumas ideologias o tentem.

    Obrigado

    Mário Cavaco

    Responder
  5. 17

    Manuel Martins Terra

    Moçambique foi efetivamente um paraíso para todos nós que amamos aquela terra, a quem a natureza abençoou e tão repleta de sonhos. Parecia que algo de mágico envolvia aquele paraíso e que nos leva tantas vezes a recordar o esplendor de outros tempos.Lembro-me das muitas viagens de fins de semana, até às vilas periféricas onde o contato com natureza tonalizada de um verde fascinante e de paisagens deslumbrantes, nos proporcionava momentos inesquecíveis. Das sua praias de Norte para Sul, cenários paradisíacos de águas cálidas e mar azul, que enrolavam na areia fina de forma tão contagiante. O Parque Natural da Gorongosa,área que encerrava uma das mais densas espécie de vida selvagem de toda a África. A riqueza da sua gastronomia , as suas gentes e toda a excêntrica história do território. A cultura cosmopolita que grassava nas grandes cidades, tornando-a um simbolo de referência. Os Edifícios icónicos que proliferavam em todo Moçambique, símbolos do trabalho e da dinâmica dos homens pioneiros. Aqueles inesquecíveis pôr do Sol, de cores tão garridas e dignos de figurar nas melhores galerias. Aquelas nossas idas aos mercados da cidade, sempre com uma oferta tão variada. Enfim, João, o nosso paraíso era tudo a quanto te reportaste e que hoje face ao contexto que estamos a atravessar, não conseguimos disfarçar a nossa melancolia. Que La Belle Époque,Um abraço João, do amigo Manel.

    Responder
  6. 16

    Eduardo

    Pois é, amigo João. Também foi o meu paraíso até Outubro de 74. Um pouco diferente do teu porque nem sempre vivi em Lourenço Marques. Mas sempre foi a minha cidade onde passei dos melhores tempos da minha vida. Mas também conheci alguns dos lugares que inumeras. Gorongosa, Beira,Nampula e Vila Cabral com o famoso Lago Niassa. Belezas que só quem conheceu pode descrever. Mas tudo lá ficou, restam as saudades. Parabéns por nos fazeres recordar bons tempos.
    Um abraço

    Responder
  7. 15

    Estrela Marques

    Adorei reviver a minha infância e alguns dos lugares por onde passei e vivi, através desta belíssima crónica. Parabéns.

    Responder
  8. 14

    Joao Gouveia

    João, sem dúvida que fomos uns privilegiados (sem termos conta disso). Só após comparação nos apercebemos. Mas também falando com amigos e primos que em Portugal ou Angola passaram a sua infância e adolescência eles têm o mesmo sentimento e nostalgia. As classes médias são semelhantes em todo o Mundo. Temos muitos exemplos que nos vêm do Brasil. 1974 coincidiu com a mudança da maioria de nós que partilhamos estas redes quando deixámos os estudos e começamos uma vida adulta e de família com outras responsabilidades e muitas vezes começadas praticamente do zero. Aqui em Portugal também tive uma vida activa e rica e os meus filhos tiveram uma infância e adolescência óptimas. A minha irmã e amigos em Maputo também têm tido uma vida feliz e a minha sobrinha e filhos de amigos também aí continuaram crescendo felizes. Alguns vieram tirar cursos na Europa e regressaram para trabalhar por se sentirem mais felizes por lá. A zona de Oeiras onde vivi é excelente e agora que vivo em Almada sinto-me num lugar óptimo com uma vida cultural fantástica e com tudo à porta. Ainda não voltei a LM, mas estou desejoso de conhecer Maputo, uma cidade nova com outras nuances mas seguramente o mesmo cheiro e simpatia. Conheci vários Países e praias em sítios ditos parasidíacos mas concordo contigo, Praias como aquelas não há. A Rádio mais forte e bem equipada de África e uma das melhores do planeta. A nostalgia faz parte da nossa vida mas o nosso tempo é hoje e hoje temos coisas e possibilidades muito melhores que nos nossos tempos inocentes de crianças e adolescentes. Vamos aproveitar e vive-las com toda força e entusiasmo. Um abraço.

    Responder
  9. 13

    Paulo Carvalho

    Um artigo mais, do amigo João, que nos relembra coisas dos nossos felizes tempos de infância e da juventude.
    Alguns termos, há muitos anos que não via qualquer referência aos mesmos, tais como a “burra”, os carrinhos Dinky-toys, os de rolamentos, o jogo do paulito, etc…
    Mas também, me agradou recordar os lanches das arrufadas com um chocoleite, as idas ao bazar na baixa, onde normalmente ia comprar Caranguejo e, menos vezes, o Camarão, o Lago Niassa onde estive algum tempo, agradavelmente destacado, durante o serviço militar e, ainda, a conhecida cascata da Namaacha.
    Um abraço e agradecimentos ao João.

    Responder
  10. 12

    jose alexandre russell

    Pois é caro amigo João. Tal como tu, nunca mais fui a Moçambique, terra que me “viu” nascer . Prefiro ter na mente aquele paraíso, de cores e cheiros, de paisagens deslumbrantes e selvagens, como dizes e bem, do que ficar dececionado por lá voltar. Infelizes daqueles que, continuam a esperar por um futuro melhor, que olvidavam por se tornarem independentes e senhores do seu futuro. Sofrem por terem, ou terem tido governos autoritários, e, ou corruptos. Quanto à Ucrânia, não diria melhor. Quem diria, que nós ainda iríamos passar por duas “guerras”, uma contra um vírus, e outra uma verdadeira guerra, aqui na Europa civilizada, mas que não se livrou de que um qualquer louco tzar, a iniciasse. Paz, e que os culpados pelos milhares de inocentes mortos, ou feridos, sejam punidos.

    Responder
  11. 11

    Adérito Rodrigues

    Parabéns João, por mais este belo trabalho. Muito temos em comum desde LM até V Cabral, Meponda até ao Lunho em 67/68. Vivi lá de 1952 a 1975…nunca mais lá voltei e fiquei pela África do Sul até 1992.

    Responder
  12. 10

    Stelio Folgosa

    Parabens Joao pelo excelente trabalho, que certamente vai alegrar muitos leitores do Bigslam.
    Nao soh lah vivi mas tambem nasci, como o meu falecido pai.
    Abracos.

    Responder
  13. 9

    António Girão Coelho

    Muitos parabéns João pelo teu artigo!
    Fizeste-me recordar a nossa linda cidade e tal como tu nunca mais lá voltei, de igual forma tenho preferido conservar em memória todas a vivencias e lugares da nossa linda Lourenço Marques. As minhas filhas (nascidas cá) têm-me “chateado” para irmos lá porque gostavam de conhecer a terra onde o nasceu (Vila Pery) e onde cresceu (Lourenço Marque) e também a terra onde a mãe nasceu e cresceu (Beira) e claro a irmos não vamos encontrar aquele paraíso de bem descreves.
    Obrigado mais uma vez pelo teu oportuno artigo. Kanimanbo

    Responder
  14. 8

    Rogério Machado

    Não fiques triste, João… por terem trocado nome de LM, para Maputo. Afinal, os filhos desta última, têm.wue ser bem identificados…
    Já nós, os cidadãos da antiga Lourenço Marques, ficamos com a nossa antiga cidade, toda para nós… o paraíso, que tu acertadamente expusestes…
    Já os de Maputo, ficam com o inferno, que a cidade virou.
    Acredita… tu não voltastes lá, mas eu voltei… kkkkkkkkkkk
    Obs.: – Não volto mais… kkkkkkkkkkk

    Responder
  15. 7

    ABM

    A letra da canção diz “I was born under a wondering star”. Uma estrela errante, não errada.. ABM

    Responder
  16. 6

    Augusto Martins

    Obrigado João !
    Este teu postal, com a qualidade que caracteriza os anteriores, é apenas um HINO ao nosso paraíso.
    Faz-nos regressar a uma época jamais repetível, infelizmente.
    Não por falta de condições locais, mas apenas pela ambição de alguns dos que se julgam com o direito exclusivo de usurparem o que foi construído com o sacrifício, as doenças, o trabalho, o sangue, as noites sem dormir e o suor de muitos milhares de pessoas de todas as raças, etnias, nacionalidades e crenças religiosas.
    Só o caldeamento harmonioso de todas essas diferenças, poderia construir o que lá ficou, como marca definidora.
    E, este teu trabalho serve apenas para comprovar essa realidade que perpetuará a memória desses verdadeiros heróis, a quem devemos o nosso respeito e, muitos dos quais, lá acabaram por ficar sepultados.
    Um grande e afectuoso abraço de agradecimento.

    Responder
  17. 5

    Joao Felizardo

    Boas fotos e bom comentario !
    Aqui deixo um comentario lido na justica nacional no facebook !

    Resultados de la búsqueda
    Filtros
    Justiça Nacional
    Página · Sitio web de noticias y medios de comunicación · 3,0 de 5 · A 25 mil les gusta esto
    Justiça nacional é uma página Moçambicana dedicada a publicação de notícias que marcam a atualidade informátiva do país . Atualizado diariamente
    A Heitor Mondlane y 3 amigos más les gusta esto
    Justiça Nacional
    psno17
    h
    h69c59u9m

    c9
    7
    ·
    Moçambique pode colapsar!
    Daqui a dois meses, caso não haja mudanças profundas, Moçambique pode fechar as portas. Não tem dinheiro! Caiu, como se diz em linguagem vulgar! Como é que chegámos até aqui, perguntem a Frelimo. Aliás, a oposição parlamentar teve, esta semana, o privilégio de fazer perguntas ao Governo na Assembleia da República, mas não aproveitou, cabalmente, essa oportunidade. Centrou-se em minudências e o essencial ficou por questionar.
    Todavia, essas dificuldades que o País tem, apesar de escandalosas, só podem surpreender aos incautos, pois nenhum analista, minimamente sério, poderia esperar outra coisa de Filipe Nyusi, desde que ele chegou, sabe-se lá porque vias, ao poder!
    Ontem, a Associação Moçambicana das Empresas Petrolíferas (AMEPETROL) disse que quer o aumento dos preços dos combustíveis em menos de um mês. Defende-se dizendo que os actuais preços não reflectem o custo dos produtos no mercado internacional. Portanto, o gasóleo passaria dos actuais 71 para 96 meticais, enquanto que a gasolina, que custa actualmente 77 meticais, passaria a custar 114 meticais. Agrava-se a isto, o facto de o Estado estar a dever às petrolíferas 120 milhões de dólares.
    Não é preciso detalhar que caso haja esse agravamento do preço dos combustíveis, o País estará de pernas para o ar, pois é, sobejamente, do conhecimento de todos os moçambicanos. Tal, só para elucidar, vai desembocar no aumento do preço do “chapa”, do pão, da couve, da água, de tudo. Moçambique pode, sem muita resistência, fechar as portas!
    Por outro lado, temos o problema dos hospitais que andam sem medicamentos. O Governo, em sua defesa, diz que é por causa da pandemia de Covid-19 (falta de açúcar também é devido à Covid-19?!). Ademais: o Executivo não tem dinheiro para concluir a construção do Hospital Geral de Nampula, que devia ter sido concluído há três anos. Diz que está à procura de fundos para o efeito. Estamos a falar de qualquer coisa como 12 milhões de dólares!
    Este País, um dos mais pobres do mundo (ou empobrecido pela Frelimo?), tem tudo a andar mal: estradas esburacadas (se é que elas existem), crianças que estudam ao relento, as que têm a sorte de ter uma sala de aula, sentam no chão, enquanto a nossa madeira é vendida, a preço de banana, aos chineses, pelos camaradas. As últimas chuvas destaparam a nossa pobreza: estradas cortadas, pontes caídas, hospitais destruídos.
    É verdade irrefutável que nunca vamos evitar que a chuva faça estragos. O que interessa saber, agora, é o que o Governo da Frelimo tem feito para evitar que quando a chuva cair fortemente as consequências não sejam desastrosas. Nós não podemos sentir conforto quando nos dizem que somos um País pobre, como se isso fosse uma condenação à vulnerabilidade. Há que lutar, que arregaçar as mangas. Mas isto está visto que com a Frelimo no poder, é difícil de alcançar.
    E essa coisa de insistir nos conteúdos em voga de “mudanças climáticas”, não é mais do que desesresponsabilizar o Governo da Frelimo. Nós nunca vamos controlar a natureza, mas podemos minimizar os estragos que a natureza tem causado ao nosso belo Moçambique; coisa que a Frelimo, em quase 50 anos, nunca conseguiu fazer.
    Aí está, mais uma vez, o resultado de se colocar sapateiros em lugares estratégicos para o funcionamento deste País, o resultado de improvisação, o resultado da falta de visão de longo prazo, o resultado da falta de planificação e da consistência organizacional interna no seio da Frelimo.
    Fortunas são drenadas à sorrelfa para alimentar os camaradas e depois dizem que o País não tem dinheiro. Eles têm casas até para as amantes; os seus filhos, que nunca trabalharam em lugar algum, são empresários de sucesso; andam de altas máquinas, distribuem dinheiro entre os amigos da ocasião, casam no Dubai…são príncipes de um País esfomeado; um País-mendigo. Quer dizer, o País ajoelha-se aos doadores para pedir esmola e quando é dado, em nome de todos os moçambicanos, depois é dividido, antes que chegue aos cofres públicos, entre um punhado de camaradas bem identificado!
    (Justiça Nacional, siga-nos no Facebook)

    Responder
  18. 4

    António Alberto Oliveira

    Excelente discrição, amigo João. Os meus parabéns.
    Conheci o lago em 70, quando a minha companhia seguiu para o Lunho, via, Metangula.
    As populações falavam um dialeto, semelhante ao da Beira.
    O lago tinha ondas!
    Fiquei estupefacto.

    Responder
  19. 3

    António Pinto Mendes

    Magnífica imagem do nosso Paraíso…, só que, ao contrário de ti, já lá fui duas vezes (2003 e 2014) e, apesar de doer (nomeadamente pela forma como vivem e são tratadas as pessoas), também sentimos a doçura dos aromas da terra quente e do calor humano que aquele Povo tão bem sabe dar…
    Grande abraço, João e continua a brindar-nos com as tuas crónicas.

    Responder
  20. 2

    Dulce Gouveia

    Excelente crónica como já nos habituaste.
    É verdade João, vivíamos no paraíso e não sabíamos!
    Só por comparação é que chegamos a essa conclusão e lhe damos valor…..
    Um forte abraço !

    Responder
  21. 1

    Carlos Guilherme

    BRAVO, João. És um digníssimo representante do bom gosto que é o orgulho pela terra que nos viu e fez crescer.
    Não há dúvida que bebeste a água do Umbeluzi. Bem hajas, Amigo.

    Responder
    1. 1.1

      Sónia Luiza de Sousa Mendes

      Como sempre adorei reviver contigo a nossa terra
      Kanimambo
      Beijinho 😘

      Responder

Deixe o seu Comentário a Mário Cavaco Cancel Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© BigSlam 2021 - Todos os direitos reservados.

error: O conteúdo está protegido.