6 Comentários

  1. 4

    Moisés Gil

    Quem não se recorda das idas, quase obrigatórias, todos os sábados a este icon da nossa cidade jardim. Recordo com saudade destes tempos. Feliz Natal a todos os moçambicanos e a todos que viveram estes momentos de convívio.

    Responder
  2. 3

    Abdul

    Excelente descrição. Felizmente conheci e conheço o bazar hoje mercado municipal fui vendedor de frutas nos 60/70, lembro o azáfama nas quadras festivas do fim do ano. Tínhamos frutas do cabo e de Portugal recebíamos melão de Leiria assim como uvas embaladas em caixas de madeira com serradura.foram tempos inolvidável.
    Obrigado Big slam

    Responder
    1. 3.1

      Odete Gabriel

      Verdade, tinhamos o bom produto e as cores e cheiros que nos enchiam a alma!

      Responder
    2. 3.2

      Luiz Branco

      Xoane,

      É Abdul do Bazar que tinha a banca da fruta? jogou futebol no Benfica de LM?
      A minha mãe era sua cliente assidua e o meu pai conhecia-o bem se for a pessoa que estou a pensar.
      Sou o filho do Branco da Wagons-Lits e do Benfica.

      Obrigado

      Responder
  3. 2

    Zé Carlos

    Uma bela descrição do primeiro Ex Libris da Baixa e caldeirão cosmopolita da cidade.
    Não sei se são as brumas da memória ou esquecimento… Na esquina do lado esquerdo à entrada não havia um salão de bilhar?
    O que lembro bem é após uma manhã bem atarefada nas compras com os pais ou avós, antes de regressar a casa, sentar-mo-nos à mesa do café/bar e dependente da hora do dia, saborear um bolo de arrôz ou um prego no pão, acompanhado por um refregirante da Reunidas e ao sair, observar no passeio os engraxadores sentados nas suas caixas do oficío, com orgulho a fazer o pano de polir estalar e chiar no brilhante sapato…

    Responder
  4. 1

    Manuel da Silva

    “Hoje chamado de Mercado Central de Maputo, Bazar Vasco da Gama de ontem, mas sempre um espaço de cultura, mescla de gente de todas a raças que continuam a dar vida aquele edifício ex-libris da cidade … bazar sempre jovial aos olhos de quem o viu com carinho e muito orgulho, que tudo vendia, à exceção da simpatia que nos era oferecida pelos seus arrendatários.”

    Tendo eu visitado este bazar algumas vezes, obviamente também fui daqueles que sentiu um bazar sempre jovial que me foi dado a recordar com carinho e muito orgulho. Recebi como toda a gente a simpatia oferecida pelos seus arrendatários.

    Excelente descrição do Sr. Manuel Terra. Parabéns a si e ao BigSlam.

    Responder

Deixe o seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© BigSlam 2020 - Todos os direitos reservados.