2 Comentários

  1. 2

    Humberto Tercitano

    Realmente essa sala é nostalgica para quem viveu as epopeias Laurentinas.
    Entre as observacoes acima comentadas devo dizer que tambem fui um frequentador de muitos filmes que marcaram a epoca. Lembro me das cowboiadas com o Giuliano Gemma, mais tarde Montgomery Wood, as series do Trinita, do Cantiflas, do Louis de Funes, os filmes Chiq Chiq Bang Bang, Herbi, E Tudo o Vento Levou, entre tantos outros. Mas o que mais me marcou pela espectacularidade do som estereofonico foi o filme Jesus Crist Superstar. Sendo um filme adaptado de uma peca teatral o efeito stereofonico foi por demais preponderante.

    Responder
  2. 1

    Francisco Velasco

    Uma pequena achega para este artigo que nos traz imensas saudades de um Teatro que se tornou um marco inesquecível das obras realizadas na capital, ao tempo das mais bonitas e modernas de África.

    Trata-se da visita da orquestra americana de Jazz, de ERBIE MANN que introduziu a flauta num conjunto típico de saxofones, trompetes, clarinetes, etc, que durante duas horas regalou uma audiência totalmente hipnotizada. Ainda hoje sinto arrepios ao lembrar-me desse espectáculo e dos aplausos intermináveis com que o público, lhes rendeu, de pé.

    Responder

Deixe o seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© BigSlam 2018 - Todos os direitos reservados.