11 Comentários

  1. 11

    Zé Carlos

    A minha casa de espetáculos regular foi durante muito tempo o Nacional ao lado da Casa das Beiras na Av. 31 de Janeiro, porque era perto de casa.
    Para o tamanho de LM, havia muita escolha em termos de casas de espetáculos.
    Frenquentei muitos cinemas, o Avenida, Gil Vicente, Infante, Scala, 222… geralmente íamos em grupos entre seis e doze amigos…
    Quando o Dicca abriu a malta começou a ir lá porque estava na moda.
    Na minha humilde opinião, em termos de luxo, conforto e espaço o São Miguel era o mássimo… Mas em estreias de grandes filmes e shows, capacidade bruta, qualidade de som e ecrãn, boas cadeiras etc, o Manuel Rodrigues estava à frente.
    Grande e escrupoloso empresário foi o Sr. Manuel Rodrigues.

    Responder
  2. 10

    Adelino Silva

    Quanto ao comentário apresentado por ABM segundo sei (posso estar errado), mas sempre ouvi dizer que o Varietá era do dono da fábrica de cervejas Laurentina O srº Dicca ,por esse motivo quando foi construído os Cinemas Dicca e estúdio 222, foi esse o nome dado a essa sala de espectáculos.As lojas que se encontravam no local eram lojas da firma Dicca.
    Espero que esteja certa a minha informação.
    Espero que me não tenha levado a mal esta minha observação.
    Adelino Silva

    Responder
  3. 9

    wanda serra

    Muito obrigada Cesar

    So mesmo tu como neto do velhote Manuel Rodrigues e filho de Cesar Rodrigues
    Poderias dar com precisao a lotacao do Manuel Rodrigues ,Gil Vicente e Infante .
    Tempos maravilhosos…..

    Beijinhos muitos xxxx

    WANDA SERRA

    Responder
  4. 8

    Cesar Azevedo Rodrigues

    O Manuel Rodrigues tinha 1500 luqares sentados, o Gil Vicente 1,280 e o Infante 1,000. Todos da familia Rodrigues. Sou neto do velho Manuel Rodrigues

    Responder
  5. 7

    Nino

    Eu perdi tudo de LM, Perdi TODOS os (centenas) de amigos quando tive que partir(fugir) para a França em 75 , aonde refiz a minha vida,Mas nunca deixei de ser de Lourenço Marques, minha terra

    Responder
  6. 6

    Nino Ughetto

    eu sou o Nino ughetto ,que tristeza recordar o bom passado, mas… tudo passa tudo acaba bjss para meus amigos de lourenço Marques

    Responder
  7. 5

    Adelino Manuel Brito Silva

    A minha Mãe contava-me muitas vezes que quando eu nasci na casa de saúde da Maxaquene a 15 de Abril de 1948, o cinema Manuel Rodrigues andava em experiências de som e dias depois era inaugurado com pompa e circunstancia.
    Grandes filmes que por lá passaram era uma sala muito bonita , a última vez que o vi ao vivo foi a 15/4/2013, pois tirei uma foto junto da casa de saúde onde nasci, depois assustei-me pois lá é um lar das fplm.

    Adelino Silva

    Responder
  8. 4

    Milu Gouveia

    Interessantissimo, gostei muito de conhecer a historia do cinema Africa.

    Responder
  9. 3

    Ernesto Silva

    A descrição do ABM está perfeita, concordo plenamente. Obrigado ao Bigslam por nos presentear com tantos e bons trabalhos.

    Responder
  10. 2

    ABM

    Sejamos optimistas. Enquanto o edifício, que tem valor histórico e patrimonial, não fôr abaixo, pode sempre vir a ser restaurado. Talvez daqui a cem anos. Nem que seja daqui a cem anos.

    Talvez por distracção ou economia (só pode) o Grande João omitiu a etapa dos Gil Vicentes 1 e 2. O Teatro Gil Vicente original ficava situado na entrada à direita da antiga Rua Joaquim da Lapa (agora com o nome dum proeminente Libertador sul-africano, será o Jos Slovo?) onde agora fica a Papelaria Académica e parte do Prédio Fonte Azul. Inaugurado em 1907, ardeu em 1929. O seu concorrente directo era o Varietá dos Buccelatto, que era mais ou menos a mesma coisa mas mais ao estilo das casas de ópera italianas. Em 1932 Rodrigues inaugurou o segundo Gil Vicente que (ainda) fica na Avenida Aguiar, depois Avenida D Luiz e agora Avenida Marechal Samora Machel. Ao contrário do primeiro, que era um pouco um salão mais ou menos modesto ao estilo das casas de espectaculo da altura, com ventoinha e mata-moscas, o segundo era um nadinha mais confortável e um exemplar exímio de Art Deco.

    O Manuel Rodrigues tinha a distinção de ser maior e mais moderno, com cadeiras confortáveis, potentes aparelhos de ar condicionado, podendo passar filmes com várias bandas de som e com um ecrã que comportava, mais tarde, Cinemascope e Panavision (padrão 16:9 que, muito mais tardiamente, foi adoptado pelos televisores actuais). Memorializando, lá vi 2001: Uma Odisseia no Espaço e Jesus Christ superstar. Depois veio a Frelimo e eu decidi ir estudar para Coimbra.

    Abraço

    ABM

    Responder
  11. 1

    Manuel da Silva

    “Teatro Manuel Rodrigues em LM”
    Uma viagem no tempo do bloguista do BigSlam – João de Sousa. A não perder!
    E eu não perdi! Obrigado João de Sousa e BigSlam
    Parabéns por mais esta memória.

    Responder

Deixe o seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© BigSlam 2021 - Todos os direitos reservados.