6 Comentários

  1. 6

    Manuel Martins Terra

    A coletividade Grupo Desportivo da Malhangalene, era a menina bonita do popular bairro, clube que foi crescendo graças a dinâmica dos seus dirigentes e da vontade dos seus moradores. A década 50, foi brilhante, com o GDM a construir o seu pavilhão gimnodesportivo coberto, um recinto adjacente e um campo de futebol, projetando-se para o futuro. Como corolário do trabalho coletivo de dirigentes, treinadores e atletas, conquistaram a Taça de Portugal, em Hóquei em Patins, e foram campeões nacionais de Basquetebol em 1974, com uma equipa fabulosa. Frequentei muitas vezes as suas instalações, não só para jogar basquetebol, mas para assistir a espetáculos de patinagem artística, aos celebres torneios de luta livre, e a Copa Malhanga, onde apareciam grandes equipas de futebol de salão, era assim que se dizia à época. No Bairro da Malhangalene, pontificavam também o popular Atlético, um viveiro de grandes atletas e não muito distante o GD Indo-Português, uma agremiação com excelentes instalações. O João de Sousa, também ele um homem do Bairro da Malhangalene, que conhece como ninguém a história do clube, trouxe-nos à memória, como é seu timbre o percurso orgulhoso do Grupo Desportivo da Malhangalene. A eterna saudade para os que já partiram e que deram a sua valiosa colaboração ao maior clube de bairro da cidade. Obrigado, João, pela evocação destes momentos que tornam mais felizes.

    Responder
  2. 5

    FERNANDO DE CARVALHO

    João, o nome do El Índio Apache, na tauromaquia e El Moreno na luta, era ANTÓNIO AUGUSTO. Moço pacato e humilde com quem travei conhecimento e uma certa amizade, porque ele frequentava o Scala e eu trabalhava lá. Isto em 1953/4. Ainda tenho (algures) um convite, dos muitos que ele dava á malta do Scala para assistirmos ás lutas.

    Abraço.

    Ramos.

    Responder
  3. 4

    José Carlos Maia

    Mais um grande trabalho do amigo João, tantos pormenores que já escapava-me à memória…. bairro único onde sempre vivi, e como é lógico fiz inúmeros amigos. Quanto ao Clube também grande e cheio de gente boa, mas acabei por ser sempre GDLM Alvi negro ( que me perdoem os amigos.
    Grande abraço João.

    Responder
  4. 3

    António Amorim Lopes

    FORMIDÁVEL E ILUSTRATIVA CRÓNICA SOBRE A SAUDOSA MALHANGALENE DE ENTÃO. QUEM VIVEU ALGUNS ANOS NA ENTÃO LOURENÇO MARQUES E NÃO ADORAVA A MALHANGALENE? JULGO QUE NINGÉM. PARABÉNS AMIGO JOÃO DE SOUSA POR NOS TRAZER À LEMBRANÇA A MARAVILHOSA TERRA DE LOURENÇO MARQUES (ACTUAL MAPUTO). E, DE VEZ EM QUANDO, PESSOAS DE MINHA FAMÍLIA COMO NESTA CRÓNICA O MEU PRIMO ANSELMO DO CARMO GOMES, FAMILIAR, ENTRE OUTROS, DE UM GRANDE GUARDA REDES DE LOURENÇO MARQUES, O ARMÉNIO GONÇALVES DO CARMO. SÓ ME RESTA AGRADECER MAIS UMA VEZ TODO ESTE BELO TRABALHO.´

    Responder
  5. 2

    Jorge Vieira

    Sinceros parabéns por mais esta crónica.
    Morei sempre na Malhanga i.e. e em sequência, Latino Coelho mesmo junto ao Jardim Dª. Berta, Rua Dionísio Ribeiro entre a 31 de Janeiro e a Gomes Freire e no “final” na J. Serrão. Frequentei a João Belo na primária toda, General Machado (secção da Malhanga) e “fechei” no António Enes. Aprendi a nadar com o Sr. Matos nos Velhos Colonos e ia ao Hóquei não só no Malhanga mas e também no Sneci. Tenho lembrança de tudo mas e infelizmente perdi todo o rastro e qualquer contacto com as pessoas com quem convivi e/ou mantive amizade.

    Responder
  6. 1

    Jorge

    Parabéns João de Sousa por esta cronica
    Tambem eu morei na Malhangalene, 1º na Rua do Porto entre a Rua de Faro e o Largo do Alentejo junto à cantina do Sr. Correia.
    Morava quase na minha frente um amigo da minha idade, o Babucha). Depois fui para a Av. Anchieta menso junto ao Campo do Malhanga ( atravessava o campo de futebol atrvás dum buraco na vdação lateral)
    fez-me lembrar tanta coisa. O Basqueteball, o Hoquei, os bailes de carnaval, a luta livre, o convivio com toda aquela juventude da epoca.
    Também me lembro do Atletico (era na minha rua)e dos jogos de futebol de salão
    E também me lembro de o ver muitas vezes, penso que morava perto da Shell em frente ao Atlético)
    Obrigado por trazer todas estas recordações que fazem parte de nós.
    1 abraço

    Responder

Deixe o seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© BigSlam 2020 - Todos os direitos reservados.