10 Comentários

  1. 7

    Zé Carlos

    Olá João Santos e obrigado.
    Este artigo traz à memória momentos alegres e também muito efusivamente disputados no “meu” passeio da Av. J. Serrão entre a A. Castillo e a Anchieta.
    O primeiro bólide comprado com as minhas poupanças, resultado de gorjetas dos muitos recados e serviços prestados na vizinhança, foi o Corgy Lotus 33 do Jim Clark.
    Sempre que ia a caminho do Malhanga ou prós escuteiros pla A. Castillo fora, fazia pausa obrigatória há frente da vitrina da loja ao lado da Ciclomotores. Quando juntei a massa foi com o Zé Mário Miranda que eventualmente entrei nessa loja para comprar o bólide.
    A primeira modificação foi encafuar ao mássimo todos os ocos com plasticina e colar com chuinga bem mastigada, um pau de QuiBom com um botão na ponta para aumentar o comprimento do carro e com isso conseguir melhor estabilidade na direção do lançamento.
    As nossas regras eram como já descritas e a adição do pau QuiBom pouco comum.
    As pistas preferidas eram a bordas do passeio por serem lisas e aproveitavam-se os ‘cotovelos’ das entradas para garagens e curvas das esquinas.
    A Casa Vilaça e a Modelândia eram casas de brinquedos de referência em LM. Esquece me o nome, mas havia outra casa na baixa que se especializava em pistas e carros eléctricos da Scaletrix e Cox.
    Dos binquedos ao real, recordo estar com a família nas dunas da praia ao meio da reta da pista da Costa do Sol que ainda usava parte da Av. Marginal, onde testemunhei o alvoroço após a grande tragédia.
    Esse acidente levou ao fecho da pista da Costa do Sol conforme era originalmente utilizando parte da Av. Marginal e a re-inauguração na época seguinte do circuito interno, no qual foi construida a nova reta com área de pit stop, boxes, torre de control e grand stand em frente da linha do Start/Finish.
    Com esse melhoramento, ficou permanente a livre circulação pla Av. Marginal em dias de provas. Quando havia corridas era uma seca para quem queria circular de um lado para o outro, porque se tinha de esperar até as provas terminarem.
    No tempo do novo Autódromo do ATCM, o primeiro construido para esse efeito em todo o território Português, vieram as 3hrs de L. Marques como parte da Springbok Series de resistência que englobava vários circuitos na A. do Sul e em Bulawayo na antiga Rhodésia. Assim se atingiu o apogeu do desporto motorizado em Moçambique onde concorreram alguns dos melhores pilotos mundiais entre eles o futuro campeão de F1, o Sul Africano Jody Sheckter, Andretti, Regazanoni, Stuck, etc e participaram bólides da Lotus, Lola, Chevron, Ferrari, Alfa, Porsche, Ford etc.
    Ao nivél local, aproveito para destacar o consagrado mas raramente mencionado motociclista, João Pascoal, um piloto sempre profissional na sua abordagem. Evidenciou-se com uma Kreidler 50cc GP e mais tarde numa Yamaha TZ250 ou 350. Lembro também o Toy e o Cardiga com as Honda 750.
    Em quatro rodas, aproveito para recordar nomes como J. Leite, C. Paixão, A. Guimarães, pai e filho Leitão, P. Antunes, F. Capela entre muitos outros que peço desculpa não mencionar por esquecimento.
    Emfim, por aqui fico.

    Responder
    1. 7.1

      João Costa

      Olá Zé Carlos,

      Tal como todos os comentários, gostei de ler este complemento ao meu artigo.
      Recordo-me de tudo que dizes! Inclusivamente dos nomes que referes. Ainda bem que os não mencionei porque me recordaste outros que já estavam esquecidos.
      Muito obrigado, Zé Carlos. Aparece sempre aqui no nosso ponto de encontro.
      Um grande abraço.

      Responder
    2. 7.2

      Samuel Carvalho

      Parabéns Zé Carlos pelo teu excelente comentário, recordando momentos marcantes da nossa infância e de acontecimentos do automobilismo em Moçambique, muitos deles já esquecidos nas nossas memórias…
      A J. Serrão deixou-nos “marcas” para o resto da vida…
      Aquele abraço e aparece sempre neste nosso “Ponto de Encontro!” – http://www.bigslam.pt

      Responder
  2. 6

    Célia Stichini Quartin

    Bem me lembro destas corridas em LM, mas só muito mais tarde me entusiasmei pelo karting, e fui ver umas provas. O meu primo Artur Stichini era o director da Moçacor, e a empresa tinha 2 karts, por isso foi obrigatório estar presente, não foi frete não, mas havia poucos karts em prova nessa altura. Ia, com um grupo de amigos todos os anos a Kyalami, ver as corridas de Formula 1. Adorava, e aproveitávamos para umas comprinhas ou em Joburg, ou em Nelspruit, dependendo da hora para apanharmos a fronteira aberta no regresso. Fizeste-me lembrar esses tempos, já quase esquecidos na minha memória. Obrigada por partilhares a tua paixão pelos bólides “Dinky Toys”, há coisas da juventude que não se esquecem!

    Responder
  3. 5

    Ernesto Silva

    Grande João, como me lembro bem de tudo o que aqui descreves, desde as brincadeiras das nossas corridas de mufanas nos passeios, das corridas na baixa, Av. da República passando pelo Zambi e mais tarde já no Autódromo da Costa do Sol. Vivi tudo isso e com este teu trabalho voei no tempo em várias épocas da minha infância e adolescência. Parabéns pelo Trabalho que postarei na página da Comunidade “MOÇAMBIQUE NO OUTRO LADO DO TEMPO”.

    Responder
  4. 4

    Manuel Martins Terra

    De que tu te foste lembrar, caro amigo João. Foste buscar uma preciosa recordação ao fundo do baú. Recordo no meu bairro, aquelas famosas corridas, com as ” máquinas” da DinkiToys e também da Matcbox, que nos eram oferecidas no Natal e em prendas de aniversário . Aproveitávamos a orla do passeio, que tinha uma faixa com cerca de 25 cm de cimento liso, como pista de competição e que tinha mais de 100 metros. Por norma, aceitavam-se 3 a 4 concorrentes, com os seus “charutos” prontos a competir. Para ganhar mais peso e alinhar melhor a “direção” colocávamos uma pequena chapa ou até um botão, colado com a velha chuinga já sem açúcar , e a prova começava a rolar. Lembro-me de algumas regras; em que ao lançar o bólide, se este se despistasse, voltava ao lugar do arranque, se embatesse no adversário, parava e era penalizado com uma paragem e se efetivamente o “piloto” que conseguisse ultrapassar o que ia na dianteira, tinha como bónus, voltar a dar mais um “arranque” de forma a ganhar distanciamento e aproximar-se da meta. For vezes, as regras não eram pacíficas. Contudo, os pilotos de ocasião, lá iam vivendo as emoções do momento. Também me lembro, que todos nós tínhamos os nosso fãs. Tempos de felicidade, própria de uma geração que soube brincar. Quantos ao acidentes nas provas automobilísticas, recordo a tragédia na reta da Costa do Sol e o acidente que vitimou o grande João Terramoto, que fazia toda a cobertura das provas e que depois eram visualizadas nos jornais e também nas salas de cinema, no documentário Atualidades, que antecedia a projeção dos filmes. João, obrigado pela partilha deste teu post, que nos trouxe até nós, momentos da nossa infância. Um grande abraço para ti, e parabéns pela tua objetividade.

    Responder
    1. 4.1

      João Costa

      As nossas corridas a princípio também eram na orla do passeio, mas depois porque o passeio estava em bom estado e porque às vezes éramos 3 concorrentes em simultâneo passamos a utiliz’a-lo na largura. Quanto às penalizações eram idênticas às vossas. Um grande abraço Manel.

      Responder
  5. 3

    Victor Carvalho

    Costa, obrigado por mais uma narrativa que nos fez transportar à nossa meninice. As minhas corridas eram na Paiva Manso perto da Afonso de Albuquerque no lancil do passeio e aproveitávamos a curva que se fazia no cruzamento entre elas. O meu preferido o “Lotus” verde da “Dinky Toys”. Entretanto no quintal de um amigo na Manuel Arriaga logo a seguir à 24 de julho, construímos uma pista em cimento e gravilha , onde se realizaram vários campeonatos,
    Quanto ao gravíssimo acidente nas dunas da reta da Costa do Sol, que vitimou várias crianças, estava eu nas bancadas e não assiste. Nesse dia morreu também um palhaço muito conhecido em LM , que foi enterrado no mesmo dia que os miúdos e entre estes.
    Mais uma vez obrigado por nos teres transportado aos nossos tempos de infância.
    Abraço

    Responder
  6. 2

    Nelson Barata

    O acidente que vitimou mais de uma dezena de miúdos da Malhangalene que assistiam na duna para onde voou o bolide , por ironia, pilotado pelo ” Lucky Botha”, e não pelo John Love, como informam, foi até hoje, salvo erro, a maior tragédia do Automobilismo Nacional.
    O fotógrafo que morreu no outro acidente de seu nome João Terramoto, era um dos mais cotados fotógrafos Moçambicanos.
    Penso ter ajudado a esclarecer o post que também me fez reviver o meu tempo de “murano”…

    Responder
  7. 1

    Augusto Martins

    Obrigado , JOÃO COSTA!

    Eu também que tive essa enorme felicidade, que hoje é negada aos meus netos e a todas as crianças, com grande mágoa minha e, espero que não venha deixar profundas marcas negativas nas suas personalidades.

    Um grande abraço, com pena de não conseguir deixar aqui uma foto de um desses meus “bólides”, que ainda hoje conservo religiosamente.

    Responder

Deixe o seu Comentário a Manuel Martins Terra Cancel Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© BigSlam 2021 - Todos os direitos reservados.

error: Content is protected !!