21 Comentários

  1. 20

    João Santos Costa

    Quero vos agradecer o tempo que dispensaram a ler este meu post/artigo sobre “O saque e as pilhagens em África”.
    Um agradecimento especial aos que colaboraram com os seus comentários, que li com muito prazer.
    Dizer-vos que o BigSlam conta com a participação e colaboração de todos nas futuras publicações.
    Até breve aqui no “nosso ponto de encontro”.
    Muito bem hajam.
    JSC

    Responder
  2. 19

    Virgilio Horta

    Obrigado João por teres posto o dedo na ferida. Todos sabíamos e sabemos o que vai acontecendo,na nossa terra. Isso já não tem solução. Grande abraço e continua….

    Responder
  3. 18

    jose alexandre russell

    Bem lembrado João. E que aqueles que julgam que nunca lhes caberá a si a sua vez, que se desiludam. Fujam enquanto é tempo. E os povos, continuarão a sofrer. A grande maioria. A mim não me surpreende.

    Responder
  4. 17

    jose pedro cardoso

    João
    Todo o Mundo sabe disto desde sempre, e o que faz quem pode? Nada. É, e será sempre assim. Justiça é palavra morta nestas situações.
    Aprenderam rápido e muito bem com quem os “ensinou”, e com os exemplos todos os dias levantados e………..nada.

    Responder
  5. 16

    Manuel Martins Terra

    Infelizmente a corrupção é um fenómeno que vai atacando governos, sociedades e economias, sendo que nos países mais pobres, se vai assistindo paralelamente aos saques e pilhagens. Os recentes distúrbios na África do Sul, onde vários empresários portugueses viram tudo destruído e saqueado, são a prova da instabilidade politica gerada por governantes corruptos, que afundam países ricos e lançam os seus povos no caos e na miséria. Moçambique, debate-se igualmente com uma situação sócio-politica instável, provocada pela elite governamental que cede a interesses das grandes multinacionais, que exploram sem regras bem definidas a maioria da população que vive numa pobreza confrangedora. Neste quadro, a justiça moçambicana julga o maior processo de corrupção do país, o caso das “dívidas ocultas”, que envolve altas figuras governamentais que lesaram a economia moçambicana em (2,3 mil milhões de euros), em financiamento de referenciadas empresas estatais locais. A par disto, vai-se assistindo sobretudo em Maputo, a roubos diários e raptos planeados ao pormenor. Pobre povo moçambicano, que vai sentido na pele todos estes desmandos, e que tarda a achar a paz de que tanto necessita. Caro amigo João, tens toda a razão do mundo, quando dizes que os lobos comem tudo e não deixam nada. Enquanto a alcateia uivar, o rebanho não pode descansar. Um abraço do amigo, Manel.

    Responder
  6. 15

    francisco da costa

    grandes verdades e viver de saudades nao e viver a realidade de AFRICA penssava que era so eu por isso nao tenho mais saudades da minha terra a AUSTRALIA da me aquilo que perdi paz de espirito e reformas sociais coisa que nem portugal as da um prazer ouvir alguem que diz a realidade

    Responder
  7. 14

    João Mendes de Almeida

    Meu caro Amigo João, todos nós sabemos que esta roubalheira que graça na nossa antiga África é exactamente a mesma que graça no nosso pobre país. Guebuza, Sócrates, Salgado…são todos futos do mesmo saco que, infelizmente, continuarão impunes e vendo os seus crimes prescrever, protegidos por juizes da mesma cor e com os mesmos interesses. A esperança que eu tinha que um dia isto mudasse…já lá foi. Resta-me a esperança de que, se Deus realmente existe, um dia faça justiça.
    Abraço grande

    Responder
  8. 13

    Nelson Silva

    Caro João: muito oportuno este teu trabalho sobre a roubalheira que grassa em África, em particular nos territórios que melhor conhecemos. Muito obrigado. Ao longo dos tempos fui ganhando a convicção de que as pilhagens, bem como a corrupção generalizada são consentidas pelo topo da hierarquia dos países. Enquanto nos preocupamos a denunciar esses actos, o topo da hierarquia vai enriquecendo sem grande ruído. Veja-se o caso de Moçambique, em que o actual presidente é o homem mais rico do país, seguido dos seus antecessores, num regabofe em que se procura ir batendo o recorde de riqueza acumulada pelo anterior presidente.

    Responder
  9. 12

    António Soeiro

    Parabéns amigo João pelo teu excelente artigo. Realmente a “alcateia” não dá tréguas e infelizmente este mal é transversal a muitos países de todos os continentes mas é particularmente notório no continente Africano.
    No que toca à África do Sul, desde que terminou o apartheid e em especial desde que terminou a governação de Nelson Mandela, que realmente foi uma benéfica exceção, todos os governos subsequentes alinharam no “saque e pilhagem” das riquezas do país e consequentemente se os governantes são corruptos e ladrões igualmente o povo segue esses exemplos e age em conformidade.
    Já no que toca às ex-colónias portuguesas e especificamente a Angola e Moçambique o que se verificou foi a entrega do poder ao MPLA e à Frelimo sem que tenha havido qualquer tipo de negociações sérias para proteger os interesses das populações de todas as raças e credos, e assim se criaram situações de puro abandono pelas autoridades portuguesas que levaram e continuam a levar ao saque e pilhagem das riquezas dos países por governantes corruptos e ladrões. E não vejo jeito de estas situações serem revertidas num futuro próximo.

    Responder
  10. 11

    Quim Pereira

    Amigo,
    Triste e penoso calvário está reservado ao povo depois da independência de Moçambique – da forma como foi executada (é referido que tudo começou após a saída dos portugueses, não foi??) – e que nos entristece a todos, naturais e não-naturais (mas orgulhosamente Moçambicanos), que nos vimos forçados a abandonar aquele que podia ter sido um maravilhoso país.

    Artigo muito oportuno, já que a corrupção (que pode configurar uma forma de roubo!) é um flagelo transversal a vários continentes e que nos afecta de forma cruel a todos nós, portugueses.

    Aquele abraço.

    Responder
  11. 10

    Zé Carlos

    No caso de Moçambique, os parasitas que pululam no Oásis do Maputo, preferem as lentes côr de rosa com que se habituaram a olhar em redor …

    Responder
  12. 9

    Fernando Gil Araújo

    Estes Políticos Africanos não estão interessados no Desenvolvimento dos seus Países nem dos Povos.Quanto mais Miséria e Desordem, mais os Políticos se”Governam”com os seus Pares e Familiares.A Comunidade Internacional ainda não percebeu que os Financiamentos,e Doações e as ONGs, pouco conhecedoras de África e Africanos só conseguem chegar um Pequena Ajuda mesmo considerando a Boa Vontade e Esforço.Levará Séculos tantos quantos a Comunidade Internacional , perceber os Seus Erros em África.

    Responder
  13. 8

    Brito Gouveia

    Uma triste história, já recorrente em África… A maioria dos governantes apenas procuram avidamente obter a sua riquesa e opolência, em detrimento do seu povo, cuja maioria vive abaixo do limiar da pobreza, sem as básicas condições de vida.

    Responder
  14. 7

    Carlos Hidalgo Pinto

    São necessários alguns fluxos migratórios de técnicos em diversas áreas industriais, para que se registe um take-off industrial em Moçambique. Entretanto não é possível porque anacrónico, criarem-se zonas no território, como no início se designavam de Nova Inglaterra, Nova Holanda, Nova Escócia, etc., implicando o fixar de população nas actividades agrícolas e posteriormente industrializadas. A população moçambicana necessita de fluxos migratórios planeados, de qualidade e da elaboração de planos de ação endógenos, portanto feitos pelas autoridades nacionais adequadas e a nível regional, na agricultura e na indústria. Isto seria feito com o apoio e cooperação dos países desenvolvidos e sob monitorização mista, portanto por órgãos internacionais e também moçambicanos. Talvez se pudessem evitar desvios de recursos.

    Torna-se difícil haver desenvolvimento numa situação de instabilidade e de muita gente desempregada. Qualquer novo país que após a independência, registou uma guerra civil e num contexto de guerra fria, vê-se confrontado com factores externos como a dependência externa e com factores internos, caso da instabilidade política e social, devido a divisões internas de vária ordem. O país necessita de cooperação técnica internacional.

    Um dos principais cimentos de ligação entre os vários grupos étnicos moçambicanos é sem qualquer dúvida, a língua portuguesa.
    Moçambique precisa mais do que nunca, de uma abordagem positiva para conseguir o desenvolvimento e progresso social e económico.

    Responder
  15. 6

    Dulce Gouveia

    Parabéns João pelo tema sempre actual.
    Infelizmente essa pandemia não acaba e o “vírus ” está cada vez mais forte, não só em Mocambique mas a nível mundial.
    Abraço

    Responder
  16. 5

    Vitor Teixeira

    Por isso África está da maneira que todos sabemos Estes gatunos dão cabo de tudo e passeiam à grande pelo resto do mundo à custa das dizimadas populações locais. E as grandes potências nada fazem porque também lhes interessa.

    Responder
  17. 4

    Carlos Guilherme

    Caro Amigo João:

    Puseste o dedo na ferida. Obrigado pelo teu artigo. Sei que fala verdade pois tenho um grande amigo na África do Sul que validaria certamente tudo o que dizes e até acrescentaria mais. Parabéns

    Carlos Guilherme

    Responder
  18. 3

    Francisco Carvalho

    Artigo bastante interessante, parabéns.

    Responder
  19. 2

    BigSlam

    Um problema sem fim à vista no continente africano. E, como sempre, quem se lixa é o “mexilhão”…

    Responder
  20. 1

    BigSlam

    Por motivos de ordem técnica ao qual o BigSlam é alheio, os comentário feitos via Facebook estão neste momento inoperacionais.
    Só é possível deixarem o vosso comentário, neste espaço reservado para o efeito no BigSlam.
    Habituem-se a deixar o vosso comentário aqui!
    Conto com a vossa imprescindível participação.

    Responder

Deixe o seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© BigSlam 2021 - Todos os direitos reservados.

error: Content is protected !!