16 Comentários

  1. 16

    João Santos Costa

    Muito obrigado pelo vosso comentário, que li com muita atenção.
    O Bigslam conta com a vossa participação noa artigos aqui publicados.

    Bem Hajam
    JSC

    Responder
  2. 15

    Amelia Carreira

    Parabéns João por este excelente artigo, que alias ja tinha comentado no Facebook. Absolutamente incrivel que possam admitir que Mocambique vivesses a custa de Portugal, porque afinal o que acontecia era precisamente o contrario. Apenas a ignorancia e a maldade poderao fazer tal afirmacao. Obrigada Joao e continue a dar-nos o prazer de ler os seus artigos. Um abraco amigo.
    (Desculpe a falta dos acentos, mas estou a escrever num teclado frances e nao sei como faze-lo

    Responder
  3. 14

    Manuel Martins Terra

    Caro amigo João, parabéns pelo teu trabalho. Recordo tantas as vezes que nas nossas conversas de amigos, essa questão vinha à baila. A verdade não pode ser escamoteada e nesta “contabilidade” do dever e haver, sabemos bem para que lado caía o prato da balança . Podemos apurar muitos factos reunidos no Arquivo Histórico Ultramarino, onde consta a criação do chamado Conselho Ultramarino, destinado a gerir as matérias relacionadas a negócios de qualquer natureza e qualidade, do império Ultramarino. Foi um autêntico “eldorado” até às Independências de Angola e Moçambique. Vejamos o que aconteceu à industria têxtil do Vale do Ave, após se esgotarem as remessas de algodão vindo de Moçambique. Os transportes marítimos, da Companhia Colonial de Navegação e da Nacional, eclipsaram. A TAP, viu reduzida a sua operacionalidade para África. Enfim, mais haveria para acrescentar. Ficamos por aqui, amigo João. Um abraço, do amigo Manel.

    Responder
  4. 13

    José Gonçalves

    Excelente artigo João. Poderíamos estar aqui horas a fio a discutir o assunto. Eu sempre tive a ideia de que as colónias, Moçambique e Angola pelo menos, eram perfeitamente auto-suficientes e com a gente de valor que tinham, teriam com toda a certeza evoluído muito mais que a metrópole. As forças políticas da altura assim não quiseram…
    Um abraço e parabéns pelo artigo.

    Responder
  5. 12

    Eduardo Castro

    O meu pai, que Deus o tenha, tinha uma empresa de colocação de trabalhadores para as minas e agricultura na RSA. Até ao 25de Abril a frelimo chamava venda de escravos; mas a 27/4 a dita frelimo quis falar com ele porque precisava da empresa (CAMON).
    Ainda hoje há imensa gente que não sabe a origem da palavra metrical. Mas eu sei e se quiserem eu posso explicar.
    O salário dos magaíças era pago 50% na África do Sul e o restante era enviado directamente daquele país para Portugal sem passar por Moçambique e Portugal limitava-se a emitir papel moeda de Moçambique para que quando os trabalhadores voltassem no fim dos contratos recebem os restantes 50% que o meu pai, inúmeras vezes tinha que adiantar por não lhe ter sido ainda creditado na conta.
    E os portugueses de viviam à nossa conta? Bendita ignorância!!!

    Responder
  6. 11

    Antonio Gonçalves da Silva

    Obrigado João Costa por mais um artigo com a boa qualidade que te é habitual.
    É evidente que concordo com a tua opinião de que não eramos um peso para a Metrópole, antes pelo contrário. Como dizes, e bem, nós fornecíamos as matérias primas mais valiosas e constituíamos um mercado, por excelência, de tudo o que por cá se fabricava. E depois havia o ouro, que encheu o Banco de Portugal, como sabemos.
    Finalmente, vale a pena referir o que representava para nós a Metrópole. Pouquíssimo tendo em conta a vizinhança da África do Sul e Rodézia. Portugal para nós pouco mais era que o governo (recordo que nem um simples Chefe de Posto era por nós eleito ou nomeado) e o local de férias para os mais velhos, com algumas posses.
    Eu estive 21 anos em Moçambique e vim uma única vez à Metrópole, em 1970. Meu Deus, que diferença e distância no desenvolvimento nas cidades e sobretudo nas pessoas. Nessa minha vinda, em Braga, perguntaram-me se era estrangeiro pois não falava como eles!!!! Foi nessa altura que descobri que, quando saía de casa em Nampula ou LM, conseguia imaginar um horizonte a perder de vista. Cá, o que via era o mau humor do vizinho da frente.
    João Costa, disseste tudo e bem. Parabéns. Um forte abraço.

    Responder
  7. 10

    J.A.SILVA MARQUES

    NAO E FACIL LER ESTAS RECORDAÇOES E FAZER JUIZOS E COMENTARIOS NA HORA E EM CIMA DO QUE ACABO DE VER E LER…
    TAMBEM POR LÁ ANDEI 11 ANOS – MOÇAMBIQUE – 1965-1976…E DESDE O ROVUMA AO MAPUTO E ALGUMAS TERRAS DO INTERIOR..TIVE POR FUNÇOES PROFISSIONAIS A ABERTURA DAS AGENCIAS DO BCCI …LM –TRIGO DE MORAIS -QUELIMANE – ANTONIO ENES E DEPOIS PASSAR UNS MESES POR NAMPULA – BEIRA …ATE VOLTAR Á SEDE EM L.M…
    TIVE QUE CONTACTAR E VISITAR DEZENAS DE CLIENTES E SUAS EMPRESAS DE NORTE A SUL E MUITAS DO INTERIOR……ARROZ…AÇUCAR…CAJU– CHÁ-ALGODAO –MINAS DIVER5AS E PESCA ….FELISMENTE NUNCA TIVE QUALQUER PROBLEMA NESTAS DESLOCAÇOES—
    DEU PARA VER COMO TODAS AQUELAS RIQUEZAS ERAM PRODUZIDAS COMERCIALIZADAS E EXPORTADAS…PARA TODO O MUNDO….A MINHA OPINIAO SOBRE OS INTERESSES COMERCIAIS E FINANCEIROS FICAM PARA DEPOIS….

    Responder
  8. 9

    António Soeiro

    Mais um excelente artigo do meu amigo João Santos Costa.

    Obrigado amigo João por tentares pôr a claro a situação que se vivia nas ex-colónias antes do 25 de Abril.

    Tens toda a razão, e eu concordo plenamente, quando dizes que as ex-colónias eram completamente autossuficientes em termos materiais e não precisavam da Metrópole para nada. Aliás o que se verificava era exatamente o contrário poi eram as colónias que enviavam para a Metrópole muitas das suas riquezas. E também não há dúvidas de que nos últimos 15 ou 20 anos antes da entrega do poder aos extremistas comunistas, as ex-colónias estavam numa fase de grande desenvolvimento e tinham uma economia pujante em todos os aspetos.

    Eu não tenho dúvidas nenhumas em afirmar que as conversações (?) para a independência e transferência de poderes foram um completo logro pois não houve negociação nenhuma nem nada se fez para proteger os interesses das populações de todas as raças. Foi pura e simplesmente apenas a entrega do poder à Frelimo, no caso de Moçambique, e ao MPLA, no caso do Angola. Tivesse sido negociada uma transição faseada, elegendo para dirigentes e governantes pessoas com aptidões e conhecimentos nas diversas áreas da governação, e o resultado teria sido completamente diferente do que foi. Ter-se-iam construído nações fortes e prósperas, multirraciais e multiculturais, e os interesses de todos os seus habitantes de todas as raças e credos teriam sido acautelados e a vida teria continuado próspera e benéfica para bem de todos. E até mesmo a Metrópole sairia beneficiada pois ficaria ligada a nações ricas e prósperas e seria uma comunidade fraterna de países irmãos que seriam um exemplo para o mundo inteiro. Infelizmente, para mal de todos os habitantes de qualquer raça ou credo, as coisas não foram feitas como deviam ter sido feitas e todos depois viemos a sofrer as consequências dessa falta de patriotismo dos pseudo negociadores – Mário Soares e Companhia !!!

    Mais uma vez obrigado João por nos fazeres recordar os belos tempos que tivemos nas ex-colónias – em Moçambique no meu caso concreto para onde fui com 13 anos e de onde saí com 33 anos com a família para ir para a África do Sul aonde estivemos 12 anos tendo depois regressado ao nosso Portugal quando já tinha 45 anos. Mas ainda tive a oportunidade de refazer a minha vida pessoal e profissional. Graças a Deus.

    Um grande abraço.

    Responder
  9. 8

    Raul Almeida

    Obrigado João pelo excelente artigo.
    Nunca é demais relembrar os factos dos nossos tempos vividos na Colónia.
    Houve portugueses que decidiram melhorar as suas vidas, emigrando para locais mais promissores como Angola, Moçambique, França, Alemanha, etc. Outros decidiram ficar na Metrópole à espera que a situação melhorasse.
    Uma coisa é certa contra factos não há argumentos e o teu texto tem factos incontornáveis que eu confirmo.
    Grande abraço e parabéns pelo artigo.

    Responder
  10. 7

    Dulce Gouveia

    Parabéns João pelo excelente artigo!
    Há que repor a verdade e chamar os bois pelos nomes, só assim é que concebo o jornalismo.
    África foi sempre cobiçada, e continua a ser, pelas suas riquezas naturais e onde, paradoxalmente, coexistem os países mais pobres do mundo.
    A cobiça e a inveja andam de mãos dadas e Angola e Moçambique não fugiram à regra. Grandes potências digladiavam-se fomentando guerras para chegarem às riquezas que almejavam. Hoje continuam…
    Quanto às nossas colónias, que eram uma extensão da metrópole, forneciam grande parte dos seus recursos à mesma.
    Com a independência, havia que dar um nome aos bodes expiatórios – os retornados, que andaram a explorar, escravizar e tudo o resto que é do conhecimento de todos.
    Os vilões tornam-se heróis, os heróis passam a vilões e a história repete-se…
    Mas a Verdade vem sempre ao de cima, é uma questão de tempo!
    A maioria não gosta que cutuquem na ferida, é dolorosa, faz sofrer e, principalmente, é preciso assumir responsabilidades. Sim, ter a CORAGEM, a HONRA (qualidades muito inflacionadas e em desuso) de assumir responsabilidades.
    Bem hajas!

    Responder
  11. 6

    jose alexandre russell

    Bem lembrado João. Tudo. E nós, aqueles que nascemos ou vivemos em África ainda eramos considerados como portugueses de 2ª. Mas a memória, felizmente não é curta. Abraço.

    Responder
  12. 5

    Joaquim Arnaldo Pereira

    Para começar, os meus parabéns ao autor, velho amigo de “outros tempos”…

    O primeiro comentário dirijo-o à boa decisão que tiveste em não escrever sobre Otelo Saraiva de Carvalho… porque (na minha opinião) pondo “atitudes” e “comportamentos” antagónicos, nos pratos da balança, os negativos são amplamente mais pesados que os positivos.

    Quanto ao conteúdo deste belo trabalho, tenho a confessar que fui surpreendido com algumas informações que desconhecia e outras das quais já não me recordava.

    É, de facto, importante que haja alguém que, a espaços, venha trazer ao conhecimento da maioria (e à recordação de alguns), o que foi (era) a realidade vivida nos territórios portugueses do ultramar, por toda a população – sem a discriminação PEJORATIVA que passou a fazer parte do politicamente correcto a partir da implantação da democracia em Portugal.

    A minha opinião (e vale o que vale), que não sendo natural de Moçambique, onde vivi parte da minha mocidade, toda a adolescência e início da vida adulta é, naturalmente, a de todos os que conheceram as realidades… quer por lá terem nascido, ou apenas por terem passado um curto período das suas vidas, naquela que era considerada a «Pérola do Índico» – a sempre bela e maravilhosa cidade de Lourenço Marques.
    Mas não só: Beira, Inhambane, Quelimane, Nampula, assim como outras cidades e vilas de menor visibilidade, proporcionavam a todos os que nelas viviam e visitavam, um clima de tranquilidade e paz, de vivência (e convivência) salutar e harmoniosa, além de simpatia… que com o tempo se transformava em amor pela terra e pelas suas gentes.

    Nunca é demais enaltecer o que foram os maravilhosos anos vividos numa terra de fartura e abundância, onde quase não era necessário cultivar para colher os alimentos de que se precisava para saciar a fome; onde a mãe Natureza tinha no seu “ventre” todas as riquezas que causavam inveja e a ambição dos países ricos… e esteve na origem de todos os males que acabaram por ser os “responsáveis” – a par com os desenvolvimentos que se seguiram ao 25 de Abril de 1974 – pela situação existente nos dias de hoje (um tanto, também, por culpa dos dirigentes políticos que assumiram os destinos do novo país).

    Mas “A esperança é a última a morrer”, segundo o provérbio, e a minha convicção, assim como acredito ser a de todos os que amam aquela terra – naturais ou não – é a de que Moçambique ainda virá a ser uma grande nação, já que condições naturais não lhe faltam, tem um povo maravilhoso que sabe reconhecer que a presença dos portugueses, antes como no futuro, só lhes será benéfica – razão porque somos sempre bem recebidos quando pisamos aquelas terras.

    Responder
  13. 4

    Paulo Carvalho

    Este artigo, apesar de ser sintético, é objectivo, correcto e, bem escrito.
    Trabalhei para uma empresa de elevadores, onde os mercados de Angola e Moçambique, absorveram muita da produção portuguesa.
    A CNN, também beneficiou bastante, com o transporte marítimo de cargas e passageiros e, mais tarde, a própria TAP.
    Enfim… Em múltiplos aspectos, de forma directa ou indirecta, Portugal teve até 1974, significativas vantagens económicas, no seu relacionamento especialmente, com Moçambique e Angola
    Obrigado e um abraço João.

    Responder
  14. 3

    Eduardo Meixieira

    Só uma palavra de gratidão ao BigSlam por continuar, de forma sábia e nadura a revelar verdades sobre as ex-Colónias Portuguesas que foram diatorcidas e, hoje, são temas errónios de quem nem era nascido na altura. Obrigado por o BigSlam continuar a ser as memórias maravilhosas dos moçambicanos portugueses!!!!

    Responder
  15. 2

    Luiz Branco

    Portugal tentou viver primeiro por conta do Norte de África mas sem sucesso, depois da Índia e a seguir do Brasil. Quando o Brasil acabou (há 200 anos) virou-se para África. Quando África acabou estendeu a mão para a Europa…sempre foi um país de sanguessugas e pedintes…ou como diria o Soares” a Europa é para sacar”

    Responder
  16. 1

    Carlos Guilherme Rebelo Nunes

    Bravo João. O dedo foi posto na ferida e, de uma maneira simples e sentida, explicaste o que muitos de nós já sabia mas que nunca se escreveu. Infelizmente a política faz-se de verdades ocultas e muitas outras coisas ainda não foram reveladas mas sê-lo-ão a seu tempo. Um abraço

    Carlos Guilherme (tenor)

    Responder

Deixe o seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© BigSlam 2021 - Todos os direitos reservados.

error: Content is protected !!