5 Comentários

  1. 5

    César Sobral

    Foram capazes de lutar cerca de doze anos contra os colonialistas portugueses, e não são capazes de expulsar meia -dúzia de fanáticos muçulmanos ?

    Responder
  2. 4

    Pierre Vilbró

    Srª. Dª. Rosa:
    Na sua frase “Boa sorte para Pierre Vilbró e seu exército.”, conviria que clarificasse o quis dizer com a palavra “exército”, a fim de se evitar interpretações e conclusões erradas por parte dos(as) leitores(as).
    Não tenho nem nunca tive qualquer exército, senão o pensamento, a folha de papel e a caneta. Sou um cidadão anónimo e livre,
    como muitos outros, e que pacatamente vive a sua vida.
    Obrigado e respeitosos cumprimentos.
    Pierre Vilbró

    Responder
  3. 3

    Rosa

    Obrigada por este artigo. Muito interessante e muito triste mesmo. Espero que consigam por termo a esses assassinos. Desgraca. Boa sorte para Pierre Vilbro e seu exercito.

    Responder
  4. 2

    António Amorim Lopes

    Era maquinista dos Caminhos de Ferro de Moçambique. Residia na altura em Lourenço Marques, presentemente Maputo, onde nasceram os meus filhos, mas tive que vir para Portugal devido a um choque de comboios em que fiquei gravemente ferido mas nunca esqueci aquela maravilhosa terra. Custa.me imenso tomar conhecimento das atrocidades sofridas principalmente pelos habitantes do norte de Moçambique sem que se possa pôr termo a essa onda assassina.
    As boas gentes de Moçambique mereciam melhor sorte e não deviam estar sujeitas a essa horda de assassinos. Que Deus proteja toda a população para que possa viver em paz, que bem o merece.

    Responder
  5. 1

    antonio ughetto

    Minha terra bem amada, agora contrata Mercenários, lembro-me que no meu tempo a situação era bem mais pacífica, andei por todo o Moçambique, a Norte de Mocimboa da Praia a Pemba passando por Nampula (onde nasceu o meu sobrinho) descendo para Quelimane, Tete, Beira e Buzi (onde comi os melhores caranguejos do Mundo) descendo até Inhambane (terra da minha avó e mãe) passando pela terra mais a sul (onde nasceu minha bisavó) até Lourenço Marques (Maputo) onde eu nasci..
    Tudo era uma maravilha, a verdadeira África, que hoje já não existe…..

    Responder

Deixe o seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© BigSlam 2020 - Todos os direitos reservados.