19 Comentários

  1. 13

    Cândido Ramiro Filomeno do Carmo Azevedo

    Interessante história. Mas se a realidade como clube com estatutos surgiu depois de 70, no futebol de salão já tinham uma equipa alguns anos antes, pois recordo-me de já em 67 ou até antes, jogar futebol de salão contra a “Real Sociedade”, onde um dos craques era o famoso “Chesman” e outro o Alfredo Vaz Pereira.

    Responder
  2. 12

    Nelson Silva

    Levado pelo Zé Paiva Henriques, meu colega em “A Tribuna”, tornei-me sócio do Real Sociedade – o número 21, se a memória na me falha. Assisti até a assembleia geral e tomada de posse de órgãos sociais, mas – não o vendo mencionado na peça – devo estar confundido, porque me recordo da presença do Dr. José Carlos Sereno nessa cerimónia, tomando posse. Bom trabalho, recordando o mais jovem clube da capital moçambicana que, em pouco tempo, tanto contribuiu para o desporto.

    Responder
  3. 11

    José Gonçalves

    Belo texto, que nos remete para os tempos da juventude, da cidade que nunca esqueceremos e do Moçambique que tanto amávamos. A Real era, sem dúvida, um clube com enorme potencial e recheado de bons valores, tanto ao nível dos praticante como dos dirigentes. Recordo com saudade os amigos Badola e Zé Bomba, para quem vai um grande abraço, estejam onde estejam. Obrigado, também, ao autor do texto.

    Responder
    1. 11.1

      José Manuel Mota

      Obrigado pelo comentário, José Gonçalves! Um abraço.

      Responder
  4. 10

    Manuel Martins Terra

    Uma bela recordação trazida com muita oportunidade pelo José Manuel Mota, que nos reporta a fundação do Clube Desportivo da Real Sociedade, que muitos outros emblemas laurentinos, tiveram o seu berço em bairros. Foi o caso do CDRS, que depois de uma experiência tímida passou a projetar-se como uma coletividade eclética que rapidamente ganhou expansão e afirmando-se no desporto federado, com especial destaque para o Basquetebol, onde se destacavam alguns basquetebolistas de valor, caso do Carlos Simões,José Sepodes e do António Azevedo. Não me restam duvidas que se não fora a extinção verificada em 1977, depois do êxodo de muitos praticantes e dos seus laboriosos dirigentes, o Real Sociedade tinha todas as condições para vingar no desporto moçambicano. Ambição e querer, era o lema dos seus dirigentes.Apenas por curiosidade, não sei se o CDRS de LM, tinha algo em comum com a Real Sociedade, na cidade da Beira? Apenas uma coincidência, ou talvez não.

    Responder
  5. 9

    Carlos TROCADO FERREIRA

    Parabéns pelo excelente texto, documentação e de toda a emoção que perpassa pela sua leitura. Um bem-hajas, José Manuel, com um abraço.

    Responder
    1. 9.1

      José Manuel Mota

      Obrigado, Carlos! Abraço.

      Responder
  6. 8

    João Santos Costa

    Parabéns e muito obrigado, Zé Mota! Por este teu excelente artigo sobre o “nascimento” de um clube, que começou por ser um clube de bairro, mas que depois passou a fazer parte dos grandes da nossa LMarques.
    Li com muito interesse, porque está muito bem escrito e documentado com fotografias da época. E também porque o seu nascimento foi o único a que assisti durante toda a minha vida em LMarques. E, que me recorde, foi o último a ser criado antes da independência.
    Parabéns também para a Carla Amaral por, no último sábado de Maio, dinamizar o almoço com os fundadores, atletas, amigos e simpatizantes da Real Sociedade.
    Um grande abraço, Zé Mota.

    Responder
    1. 8.1

      José Manuel Mota

      Obrigado, João! Grande abraço.

      Responder
  7. 7

    Victor pinho

    Alo José Mota. Agradecemos muito esta história da formação da Real Sociedade e toda a excelente reportagem. No que respeita ao Atletismo para além do José Jardim extraordinário saltador á Vara que representou este clube faltam aqui nomes e referências como a do grande Sprinter que foi e representou a Real Sociedade Eduardo Costa e mais o Juvenil Carlos Castelo Branco, Mário Resende e Armando Duque.Tenho reportagens do Torneio Real Sociedade e fotos do Eduardo Costa, Mário Resende e Carlos Castelo Branco em provas envergando a camisola da Real Sociedade. Uma pergunta: da-me autorização de no capitulo do livro” A Historia do Atletismo de Moçambique ” onde refiro os clubes que em Moçambique tiveram secção de atletismo acrescentar mais alguns dados foi que estão neste bom trabalho? Obrigado. Parabéns pela recordação de um clube que foi uma referencia especialmente no Basquetebol.

    Responder
    1. 7.1

      José Manuel Mota

      Obrigado, Victor Pinho! O texto consiste apenas numa compilação resumida de informação por mim recolhida, onde pude incorporar alguma da vivência pessoal directa no período de arranque do clube. Recorri por isso a fontes diversas, onde se incluem também as suas excelentes publicações sobre o atletismo em Moçambique.
      Considerando tratar-se de matéria de natureza pública, não serão por mim colocadas quaisquer reservas à sua livre utilização. Pode por isso usar o texto ou extractos do mesmo como bem entender.
      Grande abraço.

      Responder
  8. 5

    BigSlam

    Por motivos de ordem técnica ao qual o BigSlam é alheio, os comentário feitos via Facebook estão neste momento inoperacionais.
    Só é possível deixarem o vosso comentário, neste espaço reservado para o efeito no BigSlam.
    Conto com a vossa imprescindível participação!

    Responder
  9. 4

    BigSlam

    Recordando um clube mítico nascido no bairro da Sommerschield e que já dava cartas no desporto em Moçambique.

    Responder
  10. 3

    Jorge Taborda

    Meu querido Amigo

    Simplesmente brilhante. Outra coisa não seria de esperar de ti

    Ainda à menos de dois anos estive com a família no jardim e na nossa famosa sede a recordar os velhos tempos

    Obrigado por manteres vivas aquelas recordações é um grande abraço deste teu amigo
    Jorge

    Responder
    1. 3.1

      José Manuel Mota

      Ó amigo Jorge, continuas um gajo simpático … ! Obrigado pelo teu comentário.
      Grande abraço.

      Responder
  11. 2

    Joao barbosa

    Motinha, excelente artigo. Abração Becas

    Responder
    1. 2.1

      José Manuel Mota.

      Obrigado, Becas! Abração.

      Responder
  12. 1

    Francisco Duque Martinho

    Optima reportagem e recordação. Parabéns aos autores.

    Responder

Deixe o seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© BigSlam 2021 - Todos os direitos reservados.

error: Content is protected !!