6 Comentários

  1. 4

    Daniel Sousa

    Além de ser meu conterrâneo admirava-o como futebolista.Saudades das competições Europeias e do Mundial de 66.Serás sempre lembrado em Portugal, Moçambique e em todo Mundo.Os Benfiquistas não se esquecem de ti.Descansa em Paz amigo.

    Responder
  2. 3

    Renato Caldeira

    O Marechal Samora e o “King”

    Foi um privilégio para mim, cobrir a audiência que o Presidente Samora Machel concedeu a Eusébio, na sua primeira visita ao país, após a Independência. Jornalistas presentes: Carlos Pinhão, João de Sousa e outros. Tudo começou assim:
    – Eusébio, como te sentes ao regressar à tua terra libertada? – perguntou o Marechal.
    – Feliz, muito feliz “hossi” (chefe) – reagiu a Pantera.
    Seguiram-se momentos de recordações ímpares, com a língua ronga a “baralhar” um pouco os jornalistas portugueses presentes, num diálogo digno de registo.
    A certa altura, referiu o Presidente Samora: “quando eu estava na guerrilha, o Presidente da Coreia do Norte, Kim Il Sung, disse-me: – Ó Samora, ganha lá essa guerra aos colonialistas, para tirares da selecção de Portugal o Coluna e o Eusébio. Imagina que humilharam a minha equipa que, após estar a vencer por 3-0, acabou por perder por 3-5, com quatro golos de Eusébio”!
    O Pantera Negra, nessa hora estava cor-de-rosa. Não sabia em que posição ficava, se cruzava ou descruzava as pernas, ao ponto de ter pontapeado e partido o cálice de champanhe que tinha à sua frente.
    O comentário do Marechal:
    – Eusébio. Mostraste que ainda estás em forma. O copo partiu-se logo à primeira. Fica tranquilo. Na nossa tradição africana, isso é sinal de sorte.

    Duas historietas com o “King”
    – Fui em missão de serviço a Portugal, e o “King” prometera-me um grande entrevista. Fiquei hospedado na zona do Marquês de Pombal e todas as tentativas de falar com Eusébio não resultaram. Deixei o meu número de telefone com a pessoa que me atendeu. O mesmo havia feito relativamente a outros dois compatriotas que jogavam em Portugal, com menos notoriedade: Nito e Chiquinho Conde.
    O que aconteceu foi que na minha ausência, os três deslocaram-se à minha procura, na pensão onde eu estava hospedado. À noite, no meu regresso, os empregados estavam curiosos em saber quem era o “famoso” hóspede do quarto 23. Disseram-me: Primeiro, veio um rapazito que é defesa do Estrela da Amadora, o Nito. Após isso, o Chiquinho Conde do Sporting, que até distribuiu autógrafos. Mas, ao princípio da noite, o Eusébio??? Afinal que é o senhor?
    – Fui com o Eusébio jantar ao Restaurante “A Paz”, no largo do mesmo nome. O “King” acabou por me dar uma boleia no regresso à casa onde eu estava instalado, num pequeno carro da esposa. No meio do frio, nevoeiro, volante à esquerda, ultrapassagens, “pé pesado” da lenda do Benfica, eu estava apavorado. A viagem parecia durar horas, mas logo me tranquilizei. Pensei assim: “se eu morrer num acidente agora, pelo menos serei imortalizado por ter estado ao lado do… “King”!

    Responder
    1. 3.1

      BigSlam

      Kanimambo amigo Renato Caldeira por partilhares com todo o BigSlam essas memórias vividas com o “King” Eusébio.
      Aparece sempre neste nosso “Ponto de Encontro” e de preferência com os teus magníficos relatos.
      Aquele abraço.

      Responder
  3. 2

    Manuel Martins Terra

    O tempo passa e já lá vão 7 anos, que o Grande Eusébio nos deixou. Aquele menino prodígio que nasceu no Bairro mítico da Mafalala, no verão de 42,olhava para uma bola como o globo da sua esperança; que de dia já mostrava os seus dotes nas muitas peladinhas que disputava, e que à noite sonhava com estádios cheios, com gente de pé a aplaudir geniais lances e grandes golos que ficaram para a História do futebol português. Sim os sonhos de Eusébio, eram reais que despertavam ao som das ovações. Eusébio, era o artista que levava famílias aos estádios, independentemente da sua paixão clubística. Num dia de Janeiro, cinzento, que parecia premeditar a morte do astro, Eusébio, deixou-nos e partiu para a eternidade. O País chorou, porque acima de tudo era um homem do povo; um cidadão com um coração do tamanho do seu talento, e que tanto projetou o nome de Portugal, além fronteiras, nunca esquecendo porém a sua família, o bairro que lhe serviu de berço e Moçambique. Eusébio, é hoje uma lenda, e os lendários são para sempre imortais. Eusébio, é só para te dizer que contínuas conosco e jamais serás esquecido. Obrigado, por mim e pela minha geração, da forma como nos contagiaste pelo gosto do futebol .

    Responder
    1. 2.1

      BigSlam

      Amigo Manuel Terra, é sempre com imenso prazer que saboreio a excelência dos teus comentários, sobre os mais diversos artigos aqui publicados no BigSlam. Bem haja!

      Responder
  4. 1

    Luiz Branco

    Os numey não o dizem mas é o maior de sempre.

    Responder

Deixe o seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© BigSlam 2020 - Todos os direitos reservados.