20 Comentários

  1. 19

    Candida Teixeira

    Fez 2 anos em Fevereiro a última vez que pisei a terra vermelha e olhei as acácias rubras, foi a 5a vez desde 1976, a emoção é sempre igual. Desta vez fiquei no hotel Cardoso, revisitei tudo o que a Filipa refere, fui ao DHOW, ponto de encontro ao fim da tarde, visitei pela 1a vez a FUNDAÇÃO FERNANDO COUTO, que tive o privilégio de conhecer bem, pai do meu ídolo MIA COUTO. A emoção foi gigante, um espaço de arte, literatura, música e restauração. Passei pelo Bilene e aí almocei, a caminho de Inhambane e suas magníficas praias, Inhambane onde meu marido nasceu é a cidade que parou no tempo, linda, tranquila, generosa. Kruger Park é visita obrigatória, ficamos rendidos. Regresso com o cheiro da terra molhada, vou voltar ❤️

    Responder
  2. 18

    Teresa vaz

    Adorei ! a terra onde nasci é linda e continua abençoada
    Obrigado a todos

    Responder
  3. 17

    Antonnio Marques

    A terra que me viu nascer está no meu coração. Sei que já passaram 46 anos sem ter voltado depois de sair de lá com quinze anos.. (1975). Muitas vezes penso em visitar a terra onde nasci, muitas vezes também penso se deveria faze-lo ou não . Mas sinceramente não esqueço a terra onde nasci. Dizem muitos que é magia e linda… dizem outros que é saudosismo, outros ainda que é restos de ideias colonialistas. Respondo a essas pessoas perguntando quem em Portugal não gosta de visitar a terra onde nasceu ou onde os pais são naturais(?) É preciso entender que o ser humano necessita muitas vezes de olhar, sentir , valorizar, as origens…que tudo isso independente da politica humana ou social está mais alto o sentimento. Pensem nisso e deixem-se de história ou de histórias!

    Responder
  4. 16

    Manuel Martins Terra

    Excelente crónica de Filipa Garnel, que vinte e tal anos depois, voltou à Pérola do Índico. O fascínio voltou a tocar-lhe os sentimentos e procurando compreensivelmente abstrair-se da situação sócio-politica que atinge o país, procurou focar-se nas atrações daquela metrópole tropical. Sim, voltou a sentir as cores, os sons, o esplendoroso ” por-do-sol” africano e o cheiro inconfundível da terra molhada. Aquele povo hospitaleiro, que com um sorriso nos lábios, esconde as amarguras de um quotidiano difícil, parecendo que tudo está bem. Já dizia o saudoso Reinaldo Ferreira, ilustre poeta moçambicano, que a antiga Lourenço Marques, era a cidade feitiço. Mesmo aqueles que não nasceram lá e aportaram a LM já na idade adulta, sentindo-se estranhos, pouco tempo depois sentiam aquela terra mágica a entranhar-se em si, considerando-a a sua terra. A Filipa,traz-nos a saudade da antiga Lourenço Marques, com algumas referências por todos nós conhecidas , o Hotel Polana, o Restaurante Zambi, o Jardim Vasco da Gama e a Casa de Ferro, a Estação do Caminho de Ferro e a paradisíaca ilha da Inhaca, onde se realizavam famosas passagens de fim de ano. Maputo de hoje, mercê de outros povos que para lá emigraram, foram alterando com alguns “mamarrachos” o bem projetado plano urbanístico da cidade e criando outro tipo de restauração. Certo é que independentemente de tudo isso, ninguém lhe consegue retirar a superfície, o mar , o sol e aquela romântica chuva tropical. Moçambique, para sempre nos nossos corações.

    Responder
  5. 15

    Maria Eduarda Nunes

    Os meus parabens a Filipa Garnel pelas fotos, pelo texto. Como foi capaz de exprimir tão bem o que se sente ao pisar essa nossa terra, mesmo que não tenha lá nascido.! É notável. Um grande abraço de reconhecimento por me ter proporcionado momentos de doce saudade. Tudo de bom para si.

    Responder
  6. 14

    Arnaldo Ferreira

    Viva Filipa Garnel. Kanimambo pelo artigo sobre Maputo. Terá que voltar a esta terra com mais tempo para conhecer o moçambique profundo, isto é , incluir as zonas Centro e Norte , com realidades económicas e sociais bem diferentes das zonas citadinas do sul. Verá que vale a pena! Em 1952 nasci em Mocuba-Zambézia-Moçambique e vim embora só em 1976. Os meus melhores e inesquecíveis tempos de infância e juventude foram passados em Moçambique pelo que lá voltei em 1994, 1996 e 2007 para matar saudades. É o meu País , a minha terra de sempre ! Hambanine, Filipa Garnel.

    Responder
  7. 13

    Maria

    Oh Zé Pedro… Bebi as suas palavras com tal avidez. que quase me engasgo na emoção que elas me causam por também ser filha da terra da Boa Gente… A saudade, e as memórias que nos ficam inexplicavelmente cravadas na nossa memória, fazem de mim refém do meu berço, raízes e sonhos transcritas com a doçura e beleza de um bom Moçambicano… quase ouvi a voz do seu coração, ao falar dela,
    “Moçambique,
    que palavra tão bonita
    fique lá onde ela fique
    diga lá quem a disser

    Moçambique,
    é alegre como a chita
    Tem a graça e tem o timbre
    Dum sorriso de mulher”…!!!

    Kanimambo

    Responder
  8. 12

    Germana

    Linda a cidade onde nasci.

    Responder
  9. 11

    António Carvalho

    Só foi pena não mostrar uma foto da estátua do Mouzinho a subjugar o Gungunhana , substituida pela de Samora Machel,,,Mas penso que foi para não ferir susceptibilidades.. Fez-me recordar a m/1ª profissão em em 1956 , na Casa de Ferro. No verão quase torrávamos com o calor, apesar de termos ventoinhas no teto….

    Responder
  10. 10

    Maria Perez

    Difícil esquecer mesmo impossível, quando lembra momentos passados mesmo trabalhando ,a cabeça cheia de sonhos e esforçando-nos por ter uma vida melhor. Difícil foi também partir de lá mas não havia outra coisa a fazer deixar tudo o conseguido para trás e vir recomeçar. já passaram 44 anos passaram e tudo vem à tona quando nos recordamos de episódios vividos e passados com amigos convivendo .e daquelas belas paisagens e recantos. Ficam até ao fim das nossas vidas e a minha já vai longa.Vejo algumas vezes a cassete de Lourenço Marques Beira e outros lugares nunca vistos com a voz de J. Maria Tudela, lembrando ainda mais fundo a paixão que veio connosco. Que haja progresso e Paz naquelas paragens jamais esquecidas.

    Responder
  11. 9

    Maria de Deus DeFiguriredo

    Como tenho saudades do Índico, do por do sol , das pessoas enfim de tudo que lá deixei. Vou morrer com uma tristeza grande de nunca mais lá ter voltado ❤️

    Responder
  12. 8

    Manuel Petisca

    Todo o Mundo fala: “Longe da vista, longe do coração” Pura mentira; a cerca de 13 mil Kms. de distância e, face à sua grandeza a ternura e o carinho com que fui recebido, viverá sempre no seio do meu coração, com infinitas saudades, e continuo pensamento, Claro que estou falando de um país localizado no sudeste do Continente Africano, banhado pelo Oceano Índico e conhecido por Moçambique “A Pérola do índico”. Grande terra onde vivi os melhores anos da minha vida e onde me fiz homem, para lá fui viver, já adulto, 22 anos. E então havia que pensar no futuro, trabalhei, casei e constitui família. Só naquela maravilhosa terra isto podia acontecer. Se hoje me fosse dado a escolher, sem sombra de duvida, que te escolhia para minha amada, minha querida Moçambique.

    Responder
  13. 7

    jose pedro cardoso

    Olá Filipa
    Não a conheço pessoalmente, mas gostaria de lhe agradecer as palavras simpáticas que escreveu sobre “minha Terra”.
    Para os “coca colas” (naturais da Terra), é sempre “maningue nice” ouvir dizer bem dela. Realmente quem lá nasceu, e quem para lá foi viver em tempos antigos, ou mais recentes, e bebeu “água do Umbeluzi”, fica vacinado e a ter uma relação muito forte com aquele Paraíso. Sim , Paraíso, pois a vida que por lá se viveu, torna quase impossível encontrar quem pudesse usufruir das mesmas condições em qualquer parte do Globo.
    E o “feitiço” que lhe aconteceu a quando da sua 1ª deslocação há 20 anos, é, pode ter a certeza disso, “aquele segredo” que qualquer mortal que tenha por lá passado fica”infectado”.
    Infelizmente para si, e para quem conheçeu ou pisou aquela Terra após a “exemplar descolonização” , nunca poderá compreender ou entender a vida do outrora.
    Graças a Deus, que muito do que ainda conseguiu ver, fotografar, conhecer, gostar, sentir, lhe fez nascer aquele sentimento de “ter” vontade de voltar, e mais uma vez lhe abriu de novo, o interesse por voltar uma próxima vez.
    Agora peço-lhe sinceramente, que tente num desses momentos das suas reflexões, e do seu “recordar” , entender o que vai nos milhares de corações de TODOS aqueles que tiveram e foram forçados a abandonar a “Terra” que também era sua de nascença ou daqueles que a adoptaram profundamente e a amavam tanto como os naturais.
    Fomos “empurrados” e obrigados, dadas as condições existentes naquela altura, a ter que largar as nossas vidas dum dia para o outro, deixando para trás tudo o que foi feito com muito sacrifício, suor e abnegação por nós e pelos nossos antepassados, e que a Filipa, ainda conseguiu encontrar a beleza, para se enamorar por ela.
    As acácias, o sol, a terra ( não sentiu o cheiro da terra?), as praias, o mato, a selva, a cor das águas, a sua temperatura, o povo dócil e simpático, a nossa juvenude, a natureza, enfim TUDO o que nunca poderemos esquecer, pois morrerá connosco o tal “feitiço” e a “infecção” que nos foi transmitida por Moçambique e por sermos Africanos.
    Que quando do seu retorno para os locais indicados que pretende conhecer, se recorde destas palavras, e as sinta como nós, tentando nos seus pensamentos, recuar no tempo, e vestir um pouco a nossa pele.
    Boa viagem quando voltar a Moçambique.
    Zé Pedro

    Responder
  14. 6

    Fernando Donato

    Pois. Aquela terra tem este feito.

    Responder
    1. 6.1

      M.Dores.

      É verdade, tem feitiço. Já João Maria Tudela o cantava….Quem lá viveu não esquece a cidade das acácias vermelhas…as águas quentes do Índico, e as grandes esplanadas onde o camarão perfuma o ar…..Grande Lourenço Marques….

      Responder
  15. 5

    Jorge ventura

    Continua a ser muito difícil esquecer a nossa terra ……. e não consigo dizer mais nada tátá

    Responder
  16. 4

    Vitor Manuel de Sousa Teixeira

    Muito obrigado por todas estas palavras que me fizeram recordar lugares e sentimentos que nunca mais os senti desde 1974. É bom sentir que passados quase 50 anos continuo a sentir os cheiros, sensações e todas estas partilhas desta terra onde fui tão feliz. Se acredito em ressurreição depois da morte, não me importaria nada de voltar a nascer nesse país e tornar a fazer tudo o que fiz enquanto por lá andei. Peço desculpa pela arrogância, mas só quem nasceu lá poderá sentir o que sinto.

    Responder
  17. 3

    Ernesto Silva

    É difícil resistir no momento em que a saudade bate lá no fundo.

    Responder
  18. 2

    Milu Gouveia

    Seja bem-vinda a nossa perola do indico.

    Responder
  19. 1

    Rui Osório Gouvêa

    Nem sei o que dizer. A vontade do regresso é cada vez maior.p

    Responder

Deixe o seu Comentário a Manuel Martins Terra Cancel Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© BigSlam 2020 - Todos os direitos reservados.