10 Comentários

  1. 10

    nino ughetto

    Bravo, é bonito e bom de recordar, Mas … isso faz sempre sofrere… é assim que penso. a minha amiga de L.Marques que ainda conheço madalena , é uma amiga fiel e sou feliz de saber que ela esta bem

    Responder
  2. 9

    José Pereira

    Os vossos comentários fazem-me lembrar o Duo Ouro Negro que diziam que Angola era o melhor país do mundo e que estava sempre no coração deles etc, etc, etc. Mas não foi lá que eles se tornaram famosos nem cá em Portugal; Foi no estrangeiro que eles enriqueceram e foi o estrangeiro que lhes deu valor e só depois deles terem conseguido esse valor é que vieram cá para Portugal fazer os seus concertos porque Angola assim como Moçambique não valorizava os seus artistas, eu falo com conhecimento de causa porque só aqueles que tinham uma grande “cunha” é que conseguiam entrar como deve ser no mundo da Música. Para mim África já foi. como disse o escritor: Moçambique Terra Queimada.

    Responder
  3. 8

    Luís Serrano

    Parabéns define bem o sentir África e o ser Moçambicana!

    Responder
  4. 7

    arnaldosacras@hotmail.com

    Excelente poema de Isabel Lisboa que nos deixa de coração apertado de tantas saudades das nossas terras africanas, onde nascemos e vivemos os melhores anos das nossas vidas! Kanimambo.

    Responder
  5. 6

    Manuel Martins Terra

    Um poema que retrata todas as essências daquela terra africana, que transportamos conosco.Parabéns à Isabel Lisboa, pelo seu trabalho.

    Responder
  6. 5

    josé carlos alves da silva

    Maravilhoso… Cacimba… não lia,nem ouvia esta palavra à 47 anos. Parabéns

    Responder
  7. 4

    Antonio Mendes

    Excelente!

    Responder
  8. 3

    Selerino Graça

    Que belo poema. Amanhã estaremos juntos no almoço da Escola Técnica de Quelimane, ali onde sabia tão bem andar , não sei se debaixo, entre ou na CACIMBA, que por vezes tínhamos de enxargar os olhos, por vezes acender as luzes da Zundapp, Florett, Suzuky ou Bridgestone, tocar a campaínha da bicicleta, buzinar a Chevrollet, acender os médios ou baixar os máximos!!! E quando aparecia Cacimba e Fumo ao mesmo tempo!!! Não adianta chorar… Falar dos coqueiros é lembrar Praia do (da) Zalala…. Ainda me pergunto como é e ou foi possível???Amanhã falaremos mais sobre este poema, assim espero que mais tenham lido sobre a terra linda com que a nossa Isabel Maria Lisboa nos brindoooouuuu. Bem haja
    Selerino Graça
    selerinograca@gmail.com

    Responder
  9. 2

    Carlos Guilherme

    BRAVO!

    Responder
  10. 1

    Luis Batalau

    MARAVILHA DE POEMA DEDICADO A TODOS OS AFRICANOS E UMA TERRA LINDA.
    TAMBÉM SOU AFRICANO.

    Responder

Deixe o seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© BigSlam 2021 - Todos os direitos reservados.

error: O conteúdo está protegido.