3 Comentários

  1. 3

    Dinis Marques

    Caro João de Sousa
    Se lhe for possível, descubra por aí (instituto nacional de cinema) um jornal cinematográfico que lá se produziu, de nome KUXAKANEMA.

    Responder
  2. 2

    Moreira

    Ver um filme moçambicano, produzido num país com tantas limitações, só pode merecer os nossos elogios. Tenho pena que não tenha sido exibido em Portugal.

    Responder
  3. 1

    António Amorim Lopes

    ESTOU SATISFEITO POR MOÇAMBIQUE TER UM FILME SUBMETIDO AOS ÓSCARES. “SÓ LAMENTO NÃO TER SIDO EU O MAQUINISTA DO COMBOIO DE SAL E AÇUCAR.”

    Responder

Deixe o seu Comentário a António Amorim Lopes Cancel Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© BigSlam 2020 - Todos os direitos reservados.