6 Comentários

  1. 4

    Sobral

    Alguém se lembra em 1973 no chimoio
    Textafrica contra Belenenses da beira domingo as 3 da tarde.
    Jogo a decorrer… livre fora da área contra nós
    Quem se prepara para marcar … o famoso BITO.
    Formei a barreira… ele mandou cá uma pastilha… não só furou a barreira como também furou a rede , e a bola desapareceu para os pinheiros… confusão aí.
    O árbitro sr Albuquerque a correr para mim
    O fiscal de linha da golo.
    Ele perguntou me Sobral foi golo?
    Eu disse sim , foi golo.
    Alguém se lembra.?

    Responder
    1. 4.1

      Manuel da Silva

      Estimado amigo Sobral: Infelizmente não assisti ao jogo porque estava longe embora em Moçambique! Mas contaram-me e eu próprio felicitei o BITO, porque uma vez desmobilizado continuei em Vila Pery e cheguei a tomar café com ele e com outros desportistas na Piscina da Textáfrica. O buraco foi bem mostrado ao público pelo árbitro para garantir que o Bito havia rompido a rede! O Bito ficou ou já era conhecido pela alcunha de “pontapé canhão”

      Responder
  2. 3

    Manuel da Silva

    Uma parte da história do Grupo Desportivo e Recreativo Textáfrica

    O Grupo Desportivo e Recreativo Textáfrica (G.D.R. Textáfrica) com sede no Concelho de Chimoio, Bairro da Soalpo, foi fundado em 1957 pelo Eng.º Manuel Magalhães associado à unidade fabril com o mesmo nome, de que era Presidente do Conselho de (Estatutos aprovados pela Portaria n.º 15.376 de 1961) .
    Interessa aqui salientar que o Grupo Desportivo e Recreativo Textáfrica e o Sport Clube de Vila Pery (SCVP)) embora ambos da mesma cidade de Vila Pery nunca se fundiram, e competiam como clubes distintos no Campeonato da Associação Distrital de Futebol de Manica e Sofala (abrangendo clubes da Beira e Vila Pery), tendo inclusivamente o SCVP também sido campeão distrital em 1964, e como tal o representante de Manica e Sofala no Campeonato Provincial de Moçambique de 1965, e assim se mantiveram até à data da independência da República de Moçambique.
    Mas mesmo após a independência, os dois clubes mantiveram-se autónomos, o SCVP passou a ser designado por “Sport Clube de Chimoio” (na mesma sede do SCVP) embora circunscrito a outras actividades desportivas (basket, atletismo) que não o futebol, tendo o Textáfrica mantido-se como clube de futebol (disputa actualmente o Moçambola) mesmo depois do encerramento da fábrica.
    Para desfazer mal-entendidos é feita hoje, e deste modo, a reposição histórica dos dois mais representativos clubes da antiga cidade de Vila Pery (actual Chimoio).
    Esta rectificação fica a dever-se ao chimoiense Carlos Antunes com a qual eu estou plenamente de acordo.
    Com os melhores cumprimentos

    Responder
    1. 3.1

      Manuel da Silva

      Acresce aqui referir como curiosidade que o Eng.º Manuel Magalhães fundador do G.D.R. Textáfrica, era em 1957 o Presidente do Conselho de Administração do complexo fabril Textáfrica em Vila Pery e é o pai do distinto Dr. Manuel Pedro Dias de Magalhães (por sinal meu colega no C.N.S. Conceição de Vila Pery) que é o Administrador e CEO da Comissão Executiva da Sociedade Gestora do Hospital da Cruz Vermelha Portuguesa. Director Clínico do Hospital da Cruz Vermelha Portuguesa. Cirurgião Cardio-Torácico. Coordenador do Departamento da Circulação (desde 1998).

      Responder
  3. 2

    Manuel Martins Terra

    Recordo na equipa do Textáfrica de 1976, treinada pelo saudoso Mário Coluna, o jovem Djão que na chegada a Portugal, vi-o jogar pelo Grupo Desportivo de Chaves. Dado o seu valor, pouco tempo depois representou o CF os Belenenses, onde se revelou como um talentoso artilheiro. Mais um futebolista moçambicano, a triunfar no futebol português.

    Responder
  4. 1

    Manuel Martins Terra

    O Textáfrica era uma grande coletividade, que possuía já uma estrutura semi-profissional , servida por excelentes praticantes, onde Maló, Madeira, Amenga ,Zacarias eram nomes sonantes. As equipas que se deslocavam ao Chimoio, sentiam algumas dificuldades devido ao Estádio ter localização no planalto. A altitude era um forte obstáculo, provocando em muitas atletas dificuldades respiratórias,que tornavam mais difíceis as movimentações dentro das quatro linhas.

    Responder

Deixe o seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© BigSlam 2020 - Todos os direitos reservados.